Clive Davis, ex-presidente da RCA, fala sobre Christina em livro de memórias

Christina e Clive Davis em 2007

A memória lançada em livro por Clive Davis, presidente da RCA até 2008, tem causado um rebuliço no mundo da música. Conhecido como uma lenda da indústria por presidir a segunda mais antiga gravadora dos EUA, Clive é um homem controlador e agressivo, mas que sem dúvidas tem a visão necessária para tocar uma das mais tradicionais e maiores gravadoras do mundo.

Por isso, o livro “Soundtrack Of My Life” está ganhando espaço em diversos blogs e sites de música e entretenimento. Clive conta história dos bastidores da produção de diversos álbuns, muitas dos quais envolveram brigas com os artistas por trás das produções. Muitas dessas brigas vieram do choque entre o tino comercial de Clive e a visão criativa dos artistas que efetivamente controlam o álbum que estão prestes a lançar.

Assim, a mais famosa briga contada no livro, que é notícia nos últimos dias, é a de Kelly Clarkson. A diferença de direção envolvendo “My December” e “Because Of You” tem rendido uma lavação de roupa suja na mídia, mas o livro não para por aí. Conta os desentendimentos com Pink e os álbuns “I’m Not Dead” e “Try this”; revela que Janis Joplin ofereceu sexo em troca do contrato com a gravadora; conta as histórias de Whitney Houston e o envolvimento com drogas (Whitney era amiga de Davis); algumas teorias sobre Michael Jackson; como Bob Dylan o acusou de censura e diversas outras histórias. Nem mesmo o próprio Clive se poupou, revelando detalhes de sua intimidade ao contar para o mundo que é bissexual.

Eu confesso estar curioso para ler o livro (só tive contato com os trechos publicados online) e me parece que os bem conhecidos bastidores de Back to Basics não ficaram de fora, ainda que não conte com nenhuma grosseria ou briga épica, como nos outros casos. Por não ter lido o livro, não posso confirmar a informação abaixo, mas eis o que um fã disse ter lido:

Ele faz algumas menções pequenas à Christina. Em uma delas, ele confessa que não aprovou a ideia de Christina lançar Back to Basics como um álbum duplo. Conta que, fosse qualquer outro artista, ele teria lutado mais para que a posição dele prevalecesse. Entretanto, ele achou que Christina tinha conquistado o direito de comandar um projeto dessa forma, porque ela sempre trabalhou muito pela carreira dela, tinha as próprias opiniões formadas e contava com um histórico de vendas forte. Basicamente, ele não via motivos para tentar impedí-la, apesar de ter explicado detalhadamente todos os obstáculos que ela enfrentaria com o lançamento de um caríssimo álbum duplo. Ele também não viu no álbum um potencial single que conseguisse liderar as vendas. As vendas mundiais foram fechadas em torno de 5 milhões.

Clive também teria mencionado Christina durante a confusão envolvendo o single “Miss Independent”, de Kelly Clarkson, originalmente composto por Christina para o Stripped:

Ele conta que a música se chamava “Miss Independence”, mas eles a renomearam e a deram para Kelly na tentativa de dar uma personalidade mais forte à música dela. Ele disse que não sabia que a música foi oferecida para Kelly sem que fosse liberada por Christina antes. Comentou que Christina ficou nitidamente irritada com a situação, mas que eventualmente tudo ficou resolvido entre ela e Kelly, apesar de ter passado por momentos de turbulência.

Se conseguirmos os trechos do livro para postar exatamente o que e como tudo foi dito, faremos uma nova notícia. Até lá, lembrem-se que essas informações não foram extraídas do livro, mas sim de alguém que o leu ou diz ter lido.

Anúncios