Revistas / 2010 / Seventeen México (Agosto)

A Seveteen é uma revista voltada para garotas adolescentes

A rainha do pop conta como realizou seus desejos

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

CHRISTINA AGUILERA – Aos 17 anos, gravou o primeiro disco e buscava a fama mundial. Agora, é uma das rainhas do pop e nos conta como conseguiu alcançar os sonhos.

Há 11 anos, Christina Aguilera lançou seu primeiro disco e começou uma batalha pelo estrelato, que agora, graças ao seu grande talento, carisma e perseverança, conquistou rapidamente. Mas ela não é mais aquela garota que cantava a simpática Genie In A Bottle. Além de cantora, ela também formou uma família, estrela em um filme, e escalou diversos degraus no mundo da música até se tornar a verdadeira rainha do pop. Também está lançando seu novo material em Bionic, o quarto disco em sua discografia, que promete ser o melhor que já lançou até hoje.

Christina tem bastante o que nos contar, e a Seventeen conseguiu uma entrevista exclusiva onde ela nos revela incríveis segredos. Quer saber mais? Continue lendo!

Qual a diferença entre Bionic e seus discos anteriores?

Tem várias. Em tudo que lancei durante minha carreira, apresentei mudanças em todos eles. O primeiro álbum foi muito controlado por minha gravadora, e tinha uma direção pop muito condizente com o que estava estourando no momento. Depois, veio Stripped, que era uma viagem mais íntima para mim, tinha tudo o que eu amava na música: sentimentos diferentes, uma gama de gêneros e emoções. Back to Basics foi um tributo ao jazz, blues e soul. Agora, eu imaginei em como misturar todos esses gêneros com um futuro, algo bem divertido e com um pouco mais de paz, por isso me declinei a fazer um som pop futurista para este álbum.

Com tudo o que tem acontecido no mundo, como você imagina o futuro?

Me supreende nunca terem me perguntado isso antes. Eu tento ser otimista, e faz as coisas com otimismo é a chave do sucesso, para mim. Tento ajudar o máximo que posso, tenho trabalhado bastante com o programa que eu firmei com a ONU, em que vou a lugares e vemos como as coisas realmente são, pessoas passando fome e como todos nós temos os recursos para ajudá-las. Quanto à devastação do meio ambiente, só nos cabe fazer as pequenas coisas no dia a dia. Eu sou consciente quanto ao futuro.

Qual foi a maior dificuldade ao fazer este disco?

Acho que conseguir relaxar completamente. Eu sou muito controladora, eu gosto de me ouvir de uma determinada forma e por isso sou extremamente perfeccionista e durona comigo mesma. Às vezes, preciso me deixar descançar, mas é difícil porque sempre quero tudo extremamente perfeito. De vez em quando tenho que ceder um pouco e deixar as coisas fluírem, e foi isso que eu fiz.

Qual foi a maior dificuldade de toda a sua carreira?

Para mim, o importante é viver a vida baseada no que eu estou sentindo e no que me inspira. No começo, foi muito difícil porque as pessoas querem se aproveitar de você, e é um processo complicado você descobrir e montar uma boa equipe. Leva um pouco de tempo para se sentir bem. Peguei lá do iloveaguilera.wordpress.com.

Qual foi sua  maior realização?

Me sentir bem em minha própria pele. Todos te veem nos mínimos detalhes, te colocam sobre um microscópio e te desnudam, embaixo de um refletor. Eu faço isso desde que tenho seis anos de idade. Aos 17, consegui ser bem sucedida aos olhos do mundo, e conseguir cuidar da minha própria vida se tornou algo bem difícil, mas agora me sinto bem comigo mesma, me sinto orgulhosa e feliz. Durante os últimos seis meses, trabalhei em meu filme, Burlesque, e agora estou fazendo parte novamente do mundo da música. Acho que estou passando por um grande momento.

O que você estava fazendo com 17 anos de idade?

Gravando meu primeiro disco. Eu queria fazer sucesso no mundo inteiro, sabia que era muito jovem, mas eu não ia deixar nada ficar no meu caminho. Eu morava sozinha em um hotel ao redor de Los Angeles, estava emotiva, nervosa e chocada, mas sei que ao final tudo deu certo (risadas).

Que tipo de sonho você tem hoje?

Muitos, sonhar é importante, é um mecanismo para te impulsionar na vida, seguir sonhando e traçando objetivos. Sou sempre inspirada por novas coisas e desafios. Se eu não me desafiar constantemente, não teria força para chegar às minhas metas.

Se fizessem um filme sobre sua vida, que atriz você gostaria que te interpretasse?

Uma que ainda não fosse famosa. Primeiro, porque não consigo me lembrar de nenhum nome neste momento. Segundo, porque se fosse alguém conhecido, ela já teria sua experiência e sua forma de atuar, e já é acostumada dessa forma diante do público. Assim, creio que uma cara nova seria melhor.

Como você equilibra sua vida pessoal com a artística?

As duas são muito diferentes. À noite, eu conto histórias para o meu filho, lhe dou banho e desejo boa noite.  Aí, vou ao estúdio, que fica na minha casa, trabalho minha criatividade e canto. São dois papeis muito distintos que tenho dentro de minha vida e me completam. É muito importante equilibrá-los, mas quando estou trabalhando, me asseguro de que meu filho está em boas mãos, e o resultado é que ele fica muito feliz e me faz sentir verdadeiramente muito contente.

Que música você escuta atualmente?

Estou escutando música eletrônica no estilo do Ladytron; trabalhar com eles no meu último álbum foi muito divertido! Escuto um pouco de tudo, a música clássica é algo que me guia, Beethoven é algo que escuto repetidamente.


Voltar para Revistas – 2010 e 2011