Revistas / 2010 / People (Dezembro)

A People é uma revista sobre a vida de celebridades

Christina: Meu divórcio – a estrela de Burlesque se abre

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

“EU SABIA QUE TINHA QUE PÔR UM FIM“. Christina Aguilera, a estrela de Burlesque, abre o coração sobre a decisão dolorosa de pôr um fim na vida familiar com Jordan Bratman e o filho Max, e porque ela ainda acredita no amor.

Ao ver fotos dela em agosto, bebendo champagne com Jordan Bratman em um iate na costa italiana, Christina Aguilera tem a mesma reação que o resto do mundo teve: “Dá para perceber que estávamos infelizes”, ela diz. Na verdade, o casamento de quase cinco anos da estrela estava em maus lençóis meses antes. Os problemas começaram quando Aguilera – cujos pais se separaram quando ela tinha 7 anos – encerrou as filmagens do musical Burlesque, em março. “Quando eu voltei para minha vida normal, não me senti bem”, ela conta, acrescentando que o casal, que casou em uma cerimônia de 2 milhões de dólares em Napa Valley, tentou resolver os problemas em prol do filho Max, de 2 anos.

Agora, a vencedora do Grammy, que faz 30 anos no dia 18 de dezembro, conta como foi o ano das dores no coração que a levou à agonizante decisão de pedir divórcio e pôr fim à família. “Quando se está infeliz no casamento, os filhos são os que mais sofrem.”, ela conta. “Essa é a última coisa que eu queria para meu filho”.

Como você se sentiu no dia 14 de outubro, o dia que pediu divórcio?

As coisas não estavam saudáveis e tanto Jordan quanto eu estávamos infelizes. Eu sabia que tínhamos que pôr um fim nisso. Não era bom para nós, não era bom para Max ver nossas discussões. As crianças percebem quando as coisas não vão bem em casa. Eu tinha crises de extrema ansiedade.  Eu não queria magoar Jordan, e me senti mal por dividir nossa família.

Você conheceu Jordan quando tinha 21 anos e se casou aos 24.

Na época, pareceu a coisa certa a fazer.  Jordan e eu éramos bons amigos antes, e evoluímos para mais. Ele representava estabilidade, amor e segurança- qualidades que eu nunca vi em um homem antes. Eu senti que podíamos passar o resto de nossas vidas juntos. Eu queria me casar com alguém que fosse um bom pai. E ele é.

Quando as coisas começaram a dar errado?

Nós estávamos muito bem no primeiro ano depois do nascimento de Max. Jordan era incrível. Ele foi o primeiro a trocar as fraldas de Max. E então, tudo mudou. Eu passei a tomar conta de Max sozinha e me senti independente no relacionamento. Quando comecei a gravar Burlesque [no fim de 2009], eu tive que me afastar da minha equipe, que sempre anda comigo na minha carreira na música. Então tive uma independência que nunca tive antes. Cresci demais diariamente. Deixei de ser uma garota para ser mulher. Quando terminei as filmagens, eu não me sentia como antes dentro de casa. Tinha muita coisa dentro de mim que eu achei que estavam sendo ignoradas. Tentamos fazer o casamento dar certo e chegarmos a um ponto comum, mas os problemas eram evidentes.

Quais, por exemplo?

Havia momentos de desconectividade. Jordan sempre apoiou muito os outros, mas isso pode ter vários significados. Anos atrás, ele significava segurança para mim. Mas nosso relacionamento mudou. Eu cresci como mulher e ele cresceu como homem. Nós dois estávamos procurando coisas diferentes. Simplesmente não éramos mais certos um para o outro. Eu não conseguia viver mais cinco anos com ele e sentir que perdi meu tempo sendo infeliz.

Vocês tentaram salvar o casamento por causa de Max?

Claro. Nós passamos por um período de tentar nos reconectarmos e passar mais tempo juntos em família. Nós fizemos aquela viagem para a Itália juntos. Mas ao mesmo tempo, eu sabia que Max sairia ganhando com nossa separação. Ele ficaria feliz vendo os dois pais felizes.

Seus pais se separaram quando você tinha 7 anos. Isso influenciou na sua decisão?

Eu cresci em uma casa com muita tensão. Meus pais não deveriam ficar juntos tanto tempo quanto ficaram. Não é bom para a criança crescer cercada de discussão. Eu sabia que estava fazendo a coisa certa para meu filho porque eu acredito demais que é melhor ter duas casas cheias de amor do que uma cheia de tensão. Isso é algo que aprendi quando criança.

Como foi crescer nesse ambiente?

Minha mãe passou anos tentando permanecer em um casamento que não a fazia feliz. Eu via ela se torturando emotivamente. Mas ao ficar em um casamento que não é certo, você joga a responsabilidade nos seus filhos. Tem culpa. Tem vergonha. Eu fiquei feliz com a decisão de minha mãe ao se divorciar. Eu era mais madura nesse sentido. Me senti mais amada e segura quando eles se separaram. Quando nada mais parecia certo na minha casa, e ela não era mais o lugar mais feliz para Max crescer, foi o momento de virar a página.

Você e Jordan continuam amigos?

Pelo bem de Max, nós nos comunicamos e tentamos manter o máximo de civilidade possível, mas é muito doloroso. Há desconforto quando estamos juntos. Mas eu sei, no fundo do meu coração, que nós vamos chegar a um tempo onde vamos conseguir rir juntos de novo e fazer tudo bem para Max.

O quão emotiva foi a separação?

Eu chorei muito. Fiquei arrasada. Eu não me sentiria humana se não me sentisse mal sobre o fim do nosso relacionamento. Você vê as fotos dos tempos felizes e é  muito dif ícil. Os planos que eu tinha para minha família não serão mais daquele jeito. Mas eu consigo guardar comigo essas memórias e criar novos momentos e sonhos para mim. Eu tenho um apoio  forte ao meu lado. Eu percebi que durante muito tempo no meu casamento, eu estava me afastando de amigos muito próximos. Eu redescobri isso nessa época.

Max já te viu chorar?

Eu mantenho as lágrimas longe do meu filho. Eu não quero que ele sinta nada do que estou sentindo.

Como você faz para ajudar ele a lidar com isso?

É difícil explicar para um garoto de 2 anos o que está acontecendo. Não queríamos fazer alarde. Não precisava ser assim. Dizemos, “amanhã é dia do papai”, ou “amanhã é o dia da mamãe”. Ele está se adaptando bem. Eu quero que ele sinta o quão amado e adorado ele é. Toda oportunidade que tenho, o aperto bem forte, dou mais beijos do que antes e tento fazer ele se sentir tão especial quanto ele é para mim. Ele é um rapaz muito, muito feliz. E muito engraçado. Eu quero ser a primeira pessoa que ele vê quando acorda e última quando dorme. Eu ainda tenho a babá eletrônica, meu coração derrete quando vejo ele dormir.

O que vocês amam fazer juntos?

Vamos ao zoológico. E ele ama fingir que faz meu café. É muito lindinho! No natal, eu vou dar a ele uma máquina infantil de café.

Você  foi vista com um novo homem em Los Angeles, Matthew Rutler, um assistente em Burlesque. Como é namorar denovo?

Matthew é uma pessoa especial. Nós tínhamos uma amizade muito forte durante a gravação do filme, ele é o tipo de pessoa que você pode passar horas no telefone conversando e, de repente, já é de manhã. Quando eu oficializei o pedido de divórcio, começamos a sair juntos. Eu não estou tentando apressar nada, acabei de sair de um casamento de 5 anos, estamos indo devagar e tentando ser felizes.

Você está amando?

Tem amor ali, sim. Estou me divertindo, namorando, e é algo que eu não faço há muito tempo.

Você ainda acredita em amor e casamento?

Do fundo do meu coração. Eu sei que um dia sentirei isso de novo por outra pessoa. Esse conceito nunca vai morrer.

—-

1 – Sobre o casamento dos sonhos: “Na época, foi o certo a ser  feito. Eu não olho para esse passado com arrependimento.

2 – Sobre a viagem para a Itália: “A água estava tão revoltada que quase fomos jogados do barco”.

3 – Tempos mais felizes: “Eu agradeço a Deus pelo amor que dividimos, porque criamos Max e ele é o maior presente que recebemos”.


Voltar para Revistas – 2010 e 2011


Anúncios