Revistas / 2008 / Marie Claire (Janeiro)

A Marie Claire é uma revista sobre mulheres, saúde, beleza e moda, volta para o público feminino

Christina Aguilera revelada

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

RUVEN AFANADOR, fotógrafo colombiano que tirou as fotos para a revista responde:  A melhor parte de fotografar Aguilera: Fotografar ela durante a gravidez para a capa da revista. Ela estava nua. Eu estava usando roupas. Maior desafio: Ser meu próprio assistente. O set foi inteiramente esvaziado para essa sessão para dar privacidade à Christina. FLAGRADA. Aguilera foi a um show com o marido Jordan Bratman logo depois da nossa sessão, levando polaroids das fotos para adicionar ao álbum de gravidez que ela montou.

Mamãe Sexy Alegremente casada, com um bebê à caminho, Christina Aguilera é só sorrisos para o futuro. A dúvida é: Ela ainda é suja?

Quando eu cheguei no L’Ermitage Hotel de Los Angeles para minha entrevista com Christina Aguilera, um imenso segurança está checando o local. No universo da garota suja, as coisas não são deixadas ao acaso. Ela é, afinal de contas, um talento radical com uma voz vulcânica que consegue transformar um pop trivial sobre namoros soar como um hino. Mas esses dias, a preciosidade que é o pacote de Aguilera é intensificado pelo fato de que toda essa força está grávida.

Ela chega segurando um café, em leggings pretas, Louboutin e um sweater vermelho que disfarça a pequena barriga de gravidez. “Quer ajuda?”, eu digo, levando minha mão até ela. Em circunstâncias normais, ultrapassar a cerca elétrica que circula as estrelas seria algo impensável. Mas essa versão iluminada da Christina é difícil de resistir.

A gravidez foi algo inesperado para Christina e o marido há 2 anos, Jordan Bratman (quem Aguilera descreve como “meu melhor amigo em todo o mundo”, e “não é um cara que está nos holofotes” que “sabe quando me dizer a verdade e quando eu tenho que comer porque estou de mal humor”).

“Nós estávamos planejando começar a tentar depois da minha turnê”, ela diz, sentada agora no pátio do Hotel. Sem perceber, ela joga para trás o rabo de cavalo loiro que ela havia cuidadosamente colocado sob o ombro esquerdo. Ela está usando brincos de diamante do tamanho da circunferência de um porta-copos, sombra prateada e um batom claro – uma fulga das cores fortes que ela têm usado como máscara por alguns anos. “Então eu parei te tomar a pílula para poder preparar meu corpo, porque eu não sabia quanto tempo demorava. Eu ouvi que levava um tempo – exceto para o SuperEsperma e a Óvulos Poderesos aqui”, Aguilera ri. “É assim que meu maquiador na turnê nos chamava. Eu ficava perguntando ‘Oh Meu Deus, dá pra acreditar que aconteceu?'”

Aguilera acha que ela engravidou quando Bratman estava visitando ela em Georgetown, na perna americana da turnê “Back to Basics”. “Quando deu a hora da minha menstruação chegar, ela não veio – e eu NUNCA atraso. Comecei a sentir emoções que eu nunca senti antes – eu estava ficando emotiva com tudo. Então eu resolvi fazer o teste. Quando as duas linhas apareceram, meu queixo caiu. Eu comecei a tremer. Eu não conseguia parar de rir, acabei com os olhos cheios de lágrimas”. Ela então pegou o telefone e deu a notícia para Bratman, que estava em Nova York, antes mesmo de fazer mais testes caseiros e ir a alguns médicos confirmar a notícia.

Tudo bem até aí. Só que ela ainda tinha um mês de shows antes de encerar a turnê de 8 meses. “Eu fiquei paranóica”, diz Aguilera, de 27 anos, que muda de roupa no show pelo menos 10 vezes, se pendura em um painel circense, dança em cima de um cavalo de carrossel, brinca de dominatriz e anda de saltos enormes o espetáculo todo. “Tinha tanta coisa para dar errado. Alguém podia escorregar, alguém podia cair, EU podia cair. Não tinha chance nenhuma de eu colocar em risco meu bebê pelo meu show”. Ela usou um monitor de batimentos cardiácos em alguns shows. E também não anunciou a notícia. “Eu não queria deixar o público desconfortável, tipo – ‘Mulher grávida no palco! Ela vai ficar bem?’ Mas eu tinha que contar para meus dançarinos e para minha banda. Para ter certeza de que eles iam me ajudar quando eu precisasse. Quando nós chegamos na Ásia, ninguém encontrou alguns dos dançarinos. Eles estavam em outro lugar. Eu fiquei tão emotiva com essa história toda que isso nunca aconteceu de novo!”.

Ela também teve alguns contratempos naturais da gravidez que impediu ela de alcançar algumas daquelas notas altas no show. “Por sorte – e não me odeia por causa disso – eu não tive nenhum enjoo matinal”. Tiveram algumas mudanças de emergência no figurino também. A calça apertada que ela usava para abrir o concerto, ela diz, “Pedi para fazerem com material de calças largas”. E também tiveram aquelas mudanças de humor. “Eu me lembro de uma noite em que eu fui cantar Beautiful e comecei a chorar durante a música. Não conseguia impedir! O público foi à loucura pensando que eu só estava realmente sentindo a música. Minha banda pensava ‘Pobre garota!’. Essa foi a primeira vez que eu realmente desabei a chorar no palco. Mas pelo menos foi na música certa, não ia ser legal ficar chorando durante “Dirrty”.

HOJE, a história de Christina é bem conhecida: Filha de um pai abusivo, ela surgiu com sua voz de ouro ao achar a fama ainda criança, com Britney e Justin no Novo Clube do Mickey. Logo depois, ela lançou uma carreira solo baseada em uma imagem bonitinha e cliché que foi forçada a ela pelos empresários. Depois, em calças cortadas, toneladas de maquiagem e bronze artificial laranja, Aguilera ressurgiu mais feroz e conseguiu sair ilesa dessa fase, como somente alguém com um imenso talento consegueria. Atualmente, ela já ganhou 5 Grammy’s e vendeu mais de 27 milhões de CDs pelo mundo.

Na época em que as famosas vão às festas sem calcinha, qualquer um imaginaria que Aguilera seria a primeira a inaugurar essa prática. Mas não: enquanto suas notáveis colegas se empilhavam nas clínicas de reabilitação e mostravam ao mundo uma vida pessoal desastrada, Aguilera, de todas elas, estava tranquilamente trilhando um caminho mais calmo, doméstico. Ela casou – e por amor – com um quieto rapaz nascido no Bronx, tratando a gravidez dela com todo o respeito e privacidade que o momento requer.

Exemplo disso é a simples decisão dela em não anunciar a gravidez (apesar das fotos em tablóides japoneses, que marcaram círculos em volta da barriga dela nas matérias. “Eles estão em cima de mim!”, ela pensava). Ninguém imaginava que uma suspeita Paris Hilton seria a responsável por anunciar a notícia em uma festa da MTV. Eu perguntei à Aguilera se o anúncio de Paris Hilton deixou ela brava. Ela balança os ombros: “Porque eu não disse nada à imprensa, as pessoas acharam que eu estava tentando manter esse segredo, e não foi nada disso. Eu só não estava comentando. Não cheguei e falei ‘Oi tudo mundo! Estou grávida!’. Essa não sou eu. Se fosse meu CD, eu diria às pessoas ‘Hey! Meu CD vai ser lançado em novembro! Compre o seu, blá blá blá.’. Isso eu vou anunciar. Mas eu não vou anunciar minha criança. Porque eu faria isso com algo tão pessoal? Porque isso é da conta dos outros? Atualmente, todo mundo está tão apressado em anunciar tudo que acontece na vida deles. Muitas mulheres estão no holofote hoje só porque acham que isso é uma maneira de chamar a atenção….”

“Enfim, Paris. Sim, de primeiro eu fiquei um pouco surpresa, mas quer saber? No fim do dia, eu achei o gesto muito carinhoso. Ela anunciou de uma forma bem doce (“Parabéns para a mulher grávida mais bonita do mundo!”, Hilton disse). Deus sabe que quando seu corpo está mudando daquele jeito, qualquer elogio é algo ótimo.”. Como diz Aguilera, em alguns dias ela só perguntava ao marido “Amor, o que está acontecendo com minhas coxas?”

EM VÁRIAS MANEIRAS, Aguilera não é nada do que você imagina. Eu pensava que ela fosse mais “street”, mas sua figura super delicada me surpreendeu. Ela escolhia com cuidado as palavras, não dava nenhum terreno quando as perguntas envolviam Britney Spears, que está correndo o risco de perder a custódia dos filhos enquanto Christina se prepara para receber o seu primeiro. Me surpreendeu também como ela parece ser reservada e tímida (como quando ela evita fazer contato direto com os olhos) e como ela ainda fica nervosa antes de entrar no palco – ainda hoje, e toda vez. Essas qualidades são queridas em alguém que cantava com calcinhas vermelhas à mostra em rede nacional.

Agora, a mulher que mostrou ao público ter controle e auto-determinação está alegremente se tratando com as os inexplicáveis mistérios da procriação. Ela parece humilde com a noção de que o que está acontecendo com ela é maior do que ela própria, e que ela não está mais sozinha no universo. “Alguns dias, por causa da gravidez, você não está no ânimo de fazer um show. mas eu insistia: ‘vamos lá, mocinho!'”, ela diz, acariciando e olhando a barriga. “Eu me sentia mesmo como se estivesse com um parceiro no meu time. Como se ele estivesse me incentivando a ir fazer o show também. Eu estou mantando um livro de fotos para ele poder ver como já estava nos holofotes antes mesmo dele nascer.”. Dele? Ele? Sim, ela pode me dizer. Ela está esperando um menino.

Outros dois sinais, além da barriga, de que Christina Aguilera está grávida: Ela está tendo sonhos bem reais, acompanhados de um tsunami de hormônios. “Eu li na minha revista de gravidez que existem três etapas de sonhos durante uma gravidez.”, ela diz. “A primeira, são sonhos com memórias da infância. A segunda, você sonha estar cuidando de animais, se conectando com algo como num relacionamento maternal. Na terceira etapa… eu esqueci o que a terceira etapa é. Mas eu certamente estou na segunda, sonhando com meus cachorros. Salvando eles do perigo: de coiotes ou de se afogar.”.

Além de tudo isso, Aguilera, que passa a maior parte da carreira na estrada, está com uma vontade imensa de fazer um ninho para o bebê. “Por isso eu tive que descobrir o sexo dele, eu queria fazer tudo certo. Não queria ganhar um monte de presente bege e amarelo.”. Isto dito, vale destacar que os ninhos dos bebês de uma celebridade não diferentes dos meus e dos seus. Esse mês, ela e Bratman estão se mudando para uma casa nova – o estiloso palácio Mediterrâneo que antes era de Ozzy Osbourne.

“É uma casa tão família!”, Aguilera diz. “Eu vivia olhando a cozinha daquele programa” – o Reality Show “The Osbourne’s, que foi ao ar de 2002 a 2005 – “e eles podiam bater papo naquela parte com sofás. Parecia bem aconchegante. É um espaço em aberto, mas ainda assim tem seus detalhes – é perfeita. Eu amo a piscina e a lareira. Nós ainda somos um casal jovem, e nós queremos poder fazer festas e chamar os amigos, e naquela casa dá para fazer tudo isso. Finalmente tenho espaço para construir um salão onde eu posso fazer cabeço e maquiagem. É tão empolgante, no momento eu estou construindo o closet dos meus sonhos. É o antigo quarto do Jack. Vai ser meu guarda-roupas e salão de cabelo e maquiagem. Tenho tudo já projetado.”

Para alguém que sabia como era o horror de crescer na base do tapa e de ver a mãe apanhar ainda mais, a ideia de ter um lar intocável e amável significa muito. Aguilera diz que gosta da ideia de ter uma família grande, mas não tem um número exato de filhos em mente. “Vamos começar só com esse.”. Mas a domesticação de Christina Aguilera deve ser algo complicado. O que isso vai significar para alguém que tratava a confrontação da sexualidade como um protesto aberto e um direito?

“Nós somos tão rotuladas”, ela diz. “Se você é sensual demais, é promíscua. Se não é sensual o suficiente, é santa demais. Eu gosto de colocar esse assunto como um tópico para diálogos: Porque incomoda alguém? Qual o seu problema com isso? Eu estou te ofendendo sendo assim? Vamos achar qual a raiz do problema. Eu tenho mais de um lado em mim que gosta de se soltar em um palco e cantar. Às vezes, eu gosto de ser agressiva. Às vezes, eu gosto de me sentir segura com minha sensualidade ou minha vulnerabilidade. Eu quero mostrar esses lados para todo mundo”.

Mas alguns ajustes deverão ser feitos, como os Domingos Sem Roupa, quando Aguilera e Bratman andam pela casa bem desse jeito. “É, nós vamos ter que diminuir isso”, ela diz. “Esse vai ser o dia de ser babá, mas nós vamos viver nossa vida. É importante separar um tempo para nós dois”.

Alem da ajudar que ela planeja contratar, Aguilera vai ter que lidar com os choros sem horários, o que vai demorar para ser acostumado por alguém que não acha que o dia termina antes das duas da manhã. “Acho que isso vai ter que mudar.”, ela diz. “É assim que a gente deixa de ser egoísta. Mas eu tenho instintos maternais, até mesmo com meu irmão”, que tem dez anos. “Quando ele está me visitando, eu levanto cedo para mimá-lo”.

Quanto a mostrar para o filho as fases mais ousadas da vida da mãe, Aguilera diz que “vai ter explicação para tudo. Eu vou fazer com que nessa casa não tenha espaço para preconceitos ou julgamentos e que nem há necessidade para essas coisas existirem em lugar nenhum. Vou ensinar a ele a não julgar as pessoas que se expressarem como quiserem. Quero que ele tenha uma mente aberta. Quero que ele viaje comigo para conhecer bastantes culturas e ver como as pessoas vivem. Eu mal posso esperar para mostrar a ele o mundo maravilhoso que tem aí fora e que ele conheça isso tudo com os próprios olhos”.

ANTES DE NOS DESPEDIRMOS, eu pergunto a Aguilera sobre a pedra imensa que ela usa no dedo. Desenhado com base no que Bratman tinha em mente, é um anel de noivado circulado por pedras de diamenta que se encaixam no anel de casamento. “Como peças em um quebra cabeça, que se encaixam.”, ela diz com as mãos minúsculas que descançam no meu colo enquanto ela mostra. No pescoço, ela usa um cordão com um pequeno porta-retrados dentro do pingente, que está vazio no momento. “Acho que está esperando por uma foto, né? Em janeiro, eu posso ter uma!”.

Na saída, eu deixo Aguilera no bar, onde um simpático Bratman de calças jeans a espera pacientemente. Eu consigo imaginar ele fazendo sanduíches de sorvete para ela, como ele fazia quando ela estava com os desejos no começo da gravidez. Com o deslumbrante sorriso de um ganhador na loteria, ele diz que mal pode esperar pelo bebê e que ele já consegue sentir ele chutando. Olhando para trás enquanto eu vou embora, eu consigo ver um perfeito retrato de um jovem amor – uma garota bonita, o marido devotado, e o guarda-costas gigante por perto.  Christina é uma imensa e poderosa supernova – dando uma chance à felicidade, como o resto de nós.


Voltar para Revistas – 2008 e 2009


Anúncios