Revistas / 2007 / Maxim (Março)

A MAXIM é uma revista voltada para o público masculino adulto, com apelo sexual.

Christina Aguilera & a arte da sedução

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

NÃO HÁ NENHUMA OUTRA GAROTA… Primeiro, ela era um gênio, depois, ela desceu e se sujou. Agora, ela está de volta ao básico – e nós temos absoluta certeza de que essa é a nossa Christina Aguilera favorita até agora.

BEM VINDA DE VOLTA! Da última vez que você foi capa da nossa revista, acabou virando a edição mais vendida de toda a história da Maxim.
Eu sei! Alguém já me tirou esse título? Eu estou sempre perguntando se alguém me superou, sou muito possessiva quanto a essa posição!

essa e mais outras traduções em http://www.iloveaguilera.wordpress.com – o original.

A julgar por essas novas fotos, você corre o risco de quebrar o próprio recorde.
Nós nos divertimos brincando com algumas roupas, ou falta de roupas. Eu nunca me incomodo em me desafiar por uma boa causa.

Muita coisa mudou desde nossa última conversa, heim? Você está oficialmente fora da concorrência. O seu marido não se incomoda com seu status de símbolo sexual?
Esse é um dos motivos pelo qual eu me apaixonei por ele. A minha arte tende a ser muito sensual. Eu sempre me senti conectada com minha sexualidade. Eu amo o Jordan porque ele tem os próprios objetivos. Ele não interfere no que eu faço. E por que existe muito comportamento contraditório na sociedade, é muito importante para mim, como mulher, brincar com meu lado sensual e ser muito forte em incorporá-lo em minha arte e em meu trabalho.

Que tipo de comportamento contraditório você encontra na indústria fonográfica?
Bom, imagina se uma mulher lança um álbum com a palavra “Sex” no título, como o FutureSex/LoveSounds do Justin. Ao invés de ser bem recebida por isso, ela seria rotulada e chamada de nomes sujos… Mas isso não significa que eu não faria.

Como um cara normal conseguiu conquistar uma super-estrela sexy como você?
Eu sempre gostei de caras normais. Os homens nesse meio tendem a ser egocêntricos. Também podem amar demais o que eu faço ou se intimidar, o que torna tudo ainda mais difícil.

É verdade que você mandou um recado especial para o seu sogro no brinde de casamento?
Sim! Eu tenho o sogro mais belo e inconveniente do mundo! Nós nos damos muito bem. Eu disse – ‘Eu queria agradecer aos pais do Jordan por terem ficado juntos’, e ele gritou: ‘Por ter doado esperma!’. Eu reagi na hora, dizendo ‘Bom… eu não ia ser tão explícita.’. Para um brinde de casamento, foi muito engraçado.

Incrível como esse brinde não caiu no Youtube. É difícil manter a privacidade – e manter a música em foco – esses dias?
Sim, e eu fico triste por toda a indústria musical por causa disso. Você consegue baixar o que quiser de graça. Você consegue ver qualquer coisa, a qualquer hora, de qualquer lugar. A indústria definitivamente está tomando um rumo mais focado nos trablóides do que estava há cinco anos.

Parece ter um novo divórcio nos tablóides toda semana. Como vocês dois continuam mantendo o fogo? Teatro? Fantasias?
O que? Como você entrou no meu quarto? [risadas] Nós sempre nos divertimos. Eu gosto de brincar de médico.

Detalhes, por favor.
Eu comprei para o Jordan uma roupa de médico com uma maleta de primeiros socorros cheia de brinquedos eróticos. Eu uso a roupa de enfermeira assanhada, claro.

Tem uma faixa no Back to Basics chamada Still Dirrty, mas algumas pessoas disseram que você amoleceu um pouco. É verdade?
Nunca! Você viu as fotos da revista!

Mas no passado você sempre estava discutindo com pessoas como Pink, Eminem e Jennifer Love Hewitt…
Muito disso foi coisa de tablóide. Quando a imprensa viu que minha imagem era um pouco mais agressiva, eles pegaram no pé. Então muita coisa foi exagerada. Nada disso me interessa, a vida já é dramática o suficiente. Eu não preciso criar dramas novos.

Então porque você escreveu uma música chamada F.U.S.S., que significa “Fuck You, Scott Storch”, direcionada a seu antigo produtor?
É uma forma de enterrar minha experiência com ele. Nós fizemos um trabalho incrível no Stripped. Ele era como se fosse meu irmão. Então ele começou a trabalhar com muita gente, quando eu achava que ele podia ser um pouco mais leal.  Quando eu tentei trabalhar com ele de novo, ele fez um monte de exigência absurda. Foi decepcionante ver alguém se achar dessa forma.

Você gravou Beautiful e Hurt com a produtora Linda Perry. É verdade que vocês gravaram uma música que nunca foi lançada?
Sim! Ela queria lançar sob o nome de outra pessoa.

Porque você lançaria sob o nome de outra pessoa?
Se chama “Fuck You, Suck You”. Nós a gravamos em uma noite no estúdio, enquanto tomávamos whiskey.É completamente suspirada.

Como a gente faz para comprá-la?
Não dá. Mas eu toco quando meus amigos vão lá em casa, quando nós bebemos um pouco mais e começamos a implicar uns com os outros.

Muito visual. Você costuma ouvir sua própria música durante o sexo?
Não tem nenhuma possibilidade de eu conseguir fazer isso. Eu ficaria completamente focada em analisar minha própria voz. Eu sou muito detalhista. Eu gosto de ouvir a voz de Thom Yorke, do Radiohead, essas sim são músicas boas para isso.

Boa dica. Qual é seu próximo passo? Política? Filhos? Christina Aguilera, estrela de cinema?
Eu quero muito fazer filme, mais do que nunca. Eu tenho lido roteiros, mas nada me interessou. Eu não quero interpretar uma cantora, a não ser que seja algo completamente diferente de mim e da minha música. Quando eu me aventurar em atuação, eu quero é atuar.


Voltar para Revistas – 2006 e 2007


Anúncios