Revistas \ 2002 \ YM (Dezembro)

A YM era uma revista voltada para garotas adolescentes

Vamos colocar assim: ela merece a reputação de diva

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

Christina Aguilera é uma diva? Sim. Não. Talvez.

A PRIMEIRA COISA que eu reparei quando Christina entrou na loja Paul Frank em Los Angeles, era que ela estava lotada de maquiagem no olho. Muito interessante, considerando que no dia anterior ela havia adiado nossa sessão de fotos por ter acordado com uma infecção no olho que a impediria de usar maquiagem por 48 horas. Ela estava vestida em calças capri brancas e uma pequena camiseta preta que dizia: “Tudo se resume a mim”.

Christina olhou algumas camisas com a assistente, enquanto a porta-voz e um guarda-costas imenso andavam por perto. Eu perguntei se ela costumava comprar naquela loja. Tudo o que ela respondeu foi “Eu sou louca por Paul Frank”. Oookay. Eu mostrei algumas roupas que achava bonitinhas, mas ela mal respondeu. Ei, eu também não gostaria de ter um estranho me seguindo em uma loja, mas fazer cumpras juntos foi ideia deles. Ela chegou a comentar que  o olho havia melhorado. A porta-voz pediu desculpas no dia anterior e eu ficava achando que Christina pediria também – uma sessão cancelada custa muito dinheiro e é inconveniente para todo mundo – mas ela não pediu.

Ela comprou várias coisas na loja: um alarme, uma bolsa laranja com os dizeres “kung fu”, uma bolsa branca com uma cruz vermelha, alguns chapéus e camisetas, uma carteira roxa, e até um cobertor azul de sanitário.

A assistente me disse que nós íamos a outra loja, Wacko. Ela ficava a 45 minutos de distância e nós fomos em carros separados. Tempo bem aproveitado. Wacko acabou se mostrando ser a mais estranha loja do mundo. Christina pegou um livreto de striptease (possível promoção para o álbum Stripped?), mas logo devolveu, após folhear e rir um pouco (acho que não). Eu vi um sabonete que uma vez dei de presente em uma brincadeira – ele tem uma seta que você pode girar e apontar como no jogo “verdade ou consequência”, mas para ser feito na banheira.  Eu mostrei para a assistente, que disse um “oh” seco e foi embora. Muito estranho.

Christina jogava tudo na cesta que o guarda-costas carregava logo atrás dela. O total: US$ 217.85. Nós fomos para a casa do empresário dela para fazer a entrevista. Quando chegamos lá, eu tive que esperar aproximadamente 20 minutos enquanto Christina jantava em outra sala. Assim que ela se sentiu pronta para falar, nós sentamos em um sofá e rimos juntas enquanto afundávamos nos enormes travesseiros (os meus afundaram muito mais que os dela). Foi a primeira vez durante todo o dia em que ela apareceu amigável. Mas será que não era só o tipo “Agora que estou sendo entrevistada, serei legal”?

Depois de conversamos um pouco sobre o novo álbum, eu comecei a entender ela um pouco. “Eu não me abro facilmente, a não ser que eu me sinta muito confortável e confiante em você”, ela admitiu. Ok, talvez isso explica as compras silenciosas, um pouco. “Eu levei tanto tapa por ter me aberto demais. As pessoas dizem que sou arrogante, mas é um muro que eu construí. É o medo que tenho de me magoar depois de anos e anos de…”, ela disse sem completar. “Se você me conhecer, vai saber que eu sou a pessoa mais calorosa do mundo. Eu tiro a camisa para dar a outra pessoa”. Ela bebe um pouco do café gelado e, com um pouco de resistência, começa a me contar o motivo desses muros terem sido levantados.

PONTO BAIXO

“Antes do sucesso, eu prometi a mim mesma que falaria de algumas situações que aconteceram em minha família quando eu era menor”, diz Christina, que hoje tem 21 anos. “Isso tem tirado um peso dos meus ombros, mas ao mesmo tempo, me assusta”.

Christina cresceu com um pai violento. Compreensivamente, seus pais tinham um relacionamento turbulento, que terminou quando a mãe dela colocou as malas no carro e partiu com Christina, 8 anos, e a filha mais nova, Rachel, que só tinha 3 anos. Hoje, Christina ainda tenta lutar contra muita angústia presa dentro dela. “Apesar de você não ver nenhuma marca externa do que aconteceu, muito dos efeitos aparecem a longo prazo”, Christina conta; até então, ela só tinha dado dicas leves do passado dela. “Mas se você tentar bloquear a dor, você nunca, nunca vai superá-la”.

A vida familiar melhou muito. A mãe de Christina casou novamente em 1993, com Jim Kearns, e hoje, Christina tem um meio-irmão, Michael, de 6 anos. Christina ainda fala com o pai biológico, mas só ocasionalmente. “Eu tenho certeza que ele não vai morrer de amores por mim depois que eu lançar esse álbum”, ela diz. O refrão de I’m OK, uma música do álbum, diz: “As marcas somem, pai, mas a dor continua a mesma/E eu ainda me lembro de como você me mantinha tão assustada/Força é a minha mãe, por todo o amor que ela me deu/E eu estou bem”. Linda Perry, que trabalhou com Pink em Missundaztood e produziu I’m OK, convenceu Christina a incluir a faixa no Stripped. “Ela disse que adultos têm que viver com o que eles já vivenciaram”, Christina se recorda. “E se você quiser falar sobre o assunto, mostre através da sua criatividade”.

Na “música do papai”, como Christina chama, a voz dela quase falha em determinados versos. “Foi a música mais difícil que eu já gravei na minha vida”, ela diz. “Eu estava chorando. Minha mãe se sente muito mal por tudo que eu tive que passar”. Exagero nenhum. Shelly Kearns, a mãe dela, me conta: “Eu ouvi aquela música e chorei do começo ao fim. Tem memórias muito vívidas lá dentro. É um passo muito grande, falar sobre isso”.

UMA ARTISTA SUPERCONFIANTE

“Muitos das pessoas que passaram por isso que nós passamos simplesmente desabariam”, diz a mãe dela. “Então eu sempre disse para Christina ser confiante. ‘Não deixe ninguém te usar ou abusar de você’. Eu me esforcei muito a vida inteira para tentar compensar”. Talvez seja por isso que Christina interpreta uma diva tão bem, e porque ela teve que lutar para ter controle em Stripped.

O álbum de estreia, em 1999, vendeu mais de 12 milhões de cópias no mundo e a rendeu dois Grammy’s, mas os produtores não confiaram nos instintos da cantora a princípio. “Foi uma batalha, já que eu não tinha nenhuma credibilidade como compositora”, ela disse. “É como se as pessoas pensassem ‘Christina quer começar a escrever e produzir as próprias músiicas? Ah, que ótimo que deve ser“.

Apesar de ter gravado um álbum em espanhol, Mi Reflejo, e um álbum de natal, Stripped é “o que conta de verdade”, como ela coloca. “Eu pensei, ‘se eu tiver que fazer mais música que não venha do meu coração, eu vou ter que usar uma camisa de força, porque vou à loucura’. Eu consegui fazer a imagem de Genie In A Bottle quando eu estava desesperada por uma chance, mas foi muito difícil sorrir e seguir forjando”.

Stripped é certamente mais urbano e até mesmo guiado por rock, em parte porque Christina é a produtora-executiva e co-compositora de quase todas as músicas. O resultado? Tem o single pronto para dançar, Dirrty, em que Redman faz um rap. E uma das melhores faixas é Impossible, uma música R&B com toques de blues onde Alicia Keys canta no vocal de fundo. Christina diz que Alicia foi a influência: “Quando eu ouvi Fallin, eu fiquei brava por não ter escrito a música!”, diz Christina. “Ela conseguiu trazer de volta aquele clima old-school”.

O álbum está bem distante da doce What A Girl Wants, mas Christina não parece nervosa sobre como as pessoas vão receber essa mudança. “Se o disco for lançado e vender só duas unidades para duas pessoas que possam apreciar minha música ou o que eu tenho a dizer, por mim está bom”, ela disse.

A ATITUDE TEM SEU BRILHO

Ironicamente, a vulnerabilidade e medo foi que apresentou Christina à música em primeiro lugar. “Quando eu era criança, eu corria até meu quarto quando meu pais brigavam e tudo mais estava caótico”, ela disse. “Eu recorria àquele maldito filme, A Noviça Rebelde, com Julie Andrews. Aquela era minha escapatória”.

Quando a mãe dela largou o pai, elas foram morar com a avó de Christina em Wexford. Christina começou a entrar em competições de talentos e foi a vice-campeã no Star Search quando tinha apenas 8 anos; dois anos depois, ela cantava o hino nacional dos jogos do Pittsburgh Steelers. Mas outras crianças estavam com inveja e eram cruéis com Christina. Foi só no Clube do Mickey, com Britney Spears, Justin Timberlake e JC Chasez em 1992, que ela percebeu que não era a única que gostava de cantar, o que ajudou a lidar com os problemas na escola. “Eu percebi, ‘Ok, agora eu sei onde eu devo estar'”, ela diz parando rapidamente. “Não faça isso soar egocêntrico”, ela disse, “Mas me ajudou a saber que eu não era tão excluída”.

Ainda assim, a atitude durona de Christina não fez com que os corredores da escola ficassem mais calmos. “Ela  tinha esse jeito de andar que fazia parecer que ela é melhor que todo mundo”, disse Marcie Reilly, 22 anos, que conheceu Christina na 7ª série e hoje é uma das melhores amigas dela. “Mas esse é o jeito dela de afastar as pessoas. Se eles não tentam olhar por trás do muro, então obviamente eles não se importam com ela”. Muitas pessoas não se importavam, mas resolviam ser maldosos. “Eles ficavam espalhando boatos de que ela era anoréxica, ou conseguiam que um cara chamasse ela para sair só para rejeitar ela no dia seguinte”, Marcie contou. “Ela não sabia em quem confiar ou quem era amigo de verdade”.

Christina saiu da escola na 8ª série, quando a carreira começou a andar e exigiu que ela passasse mais tempo na estrada. Mais tarde, Marcie arrumou um encontro para que Christina pudesse ir à formatura como todo mundo. Mas quando Genie In A Bottle começou a tocar na festa, todo mundo saiu da pista. “Eu só queria ir à minha porcaria de formatura”, Christina disse: “Tipo, gente, relaxem.”.

O encontro de Marcie, Mike (que hoje é o marido dela), também não gostava da Christina. “Ele achava que ela era a coisa mais esnobe desse planeta”, Marcie disse. “Mas depois da formatura, nós voltamos para nossa casa e ela estava chorando, falando em como as pessoas magoaram ela. Ele acabou vendo quem ela é de verdade. Agora, ela é uma das pessoas de quem ele mais gosta no mundo inteiro!”.

Em janeiro de 2000, Christina cancelou um show para ser madrinha no casamento deles, e hoje, ela é madrinha também do filho do casal, Travis. “Ela é ama incondicionavelmente”, Marcie disse. “Ninguém tem nem ideia disso, e eu me sinto mal pela coisas serem assim”.

VAMOS FALAR DE GAROTOS LOGO

Quer saber o quanto Christina pode amar? É só pedir para ela falar do primeiro namorado sério, Jorge Santos. “Ele foi meu primeiro amor e eu fui o dele também”, ela conta a respeito do ex-dançarino de apoio, com quem ela namorou por dois anos. “Eu era muito reservada por causa do meu passado, então me abrir completamente para amar alguém daquela forma foi, tipo, wow!”.

Não parece que ela odeia ele nem nada do tipo, então eu perguntei porque acabou. “É difícil para qualquer um namorar uma garota nessa indústria, como eu”, ela comenta.”Eu gosto mais dos caras normais, que estão mais ligados à realidade e não gostam muito dessa coisa de estar sob os holofotes. Mas isso me prejudica também, porque eles nunca sabem como lidar com essa situação. Eles me veem e pensam, ‘Oh, ela já está com a vida toda arrumada, tudo já deu certo para ela’. Mas quando eu amo, eu aaaamo. Isso me machuca duas vezes mais forte quando não dá certo”.

Não que exista um bom momento para terminar um namoro, mas com a Christina acabou acontecendo em uma hora particularmente ruim, já que ela trabalhava no álbum. “Meu Deus, eu podia ter me encolhido e morrido”, ela disse. “Minha mãe veio para Los Angeles e vez meus pratos favoritos – uma sopa de legumes que nós chamamos de Sopa da Vovó e uma pizza do Chef Boyardee”.

Christina se recuperou aos poucos, mas ainda tinha “uma ferida em aberto”, ela diz, “e o outro cara que apareceu em minha vida me fez de besta completa”. Ela ri, mas eu vi que ainda magoa ela um pouco. “Eu disse a ele diretamente o que ele fez, peguei ele fazendo, e ele continuava sem admitir e agindo como se eu fosse a maluca!”. Ela me disse que ele é um produtor, mas não quis falar qual. “Ele não conseguiu nenhuma faixa no meu álbum, então, há!”, ela brincou.

Então, ela está pronta para sair com outro cara? “Na verdade, eu estou saindo com um amigo meu”, ela disse. “Esse está ficando muito sério”.  Ooh! Um novo garoto. Ela manteve a identidade dele em segredo, mas a mãe dela me contou que ele trabalha na indústria musical e não é famoso. “Eu amo esse!”, a mãe dela disse. “Ele é um daqueles homens românticos que você sempre espera que sua filha namore”.

Christina foi um pouco mais cuidadosa. “Vamos ver no que vai dar”, ela disse. “Um dia, eu quero ter toda aquela vida caseira também. Mas hoje, eu só estou muito feliz e focada na minha carreira”.

ENTÃO TALVEZ TODO MUNDO ESTEJA ERRADO SOBRE ELA. OU NÃO.

Três dias depois, ela voltou a ser uma diva na nossa sessão: Horário de início: Meio-Dia. Horário que a Christina chegou: Duas da tarde. Ela foi direto para o camarim, seguiga de um cachorro pequeno, do empresário, da estilista, e da equipe de cabelo e maquiagem. Eles encomendaram comida japonesa e pediram para entregar no set. Um oftamologista passou por lá. Depois, ela teve uma reunião com o diretor David LaChapelle, a respeito do clipe dela (e nós pensamos que ela estava se arrumando para nossa sessão – quanta ingenuidade). Primeira foto: 7:15 da noite. Nós já estávamos pagando hora extra ao estúdio e nem tínhamos começado direito.

Na semana seguinte, eu vi ela apresentando um prêmio no VMA, vestida só com um cachecol e uma mini-saia. Ela estava falando com um sotaque esquisito, melhor descrito como Tentativa Fabulosa de Ser Gueto, que não está lá em nenhum momento da nossa entrevista. O que aconteceu com a pessoa que eu gostei tanto, que estava tão magoada pelo que as pessoas fizeram? Ou a garota triste que precisava de sopa da vovó depois do término de um namoro?

Eu perguntei à Marcie se ela já sentiu que Christina tem personalidades diferentes. “Nossa, o tempo todo!”, ela fala. “Quando ela está com a equipe dela ou fazendo shows, eu penso, ‘nossa Senhora, onde você conseguiu essa roupa? Mas quando ela está em casa, se veste e fala normal”.

Logo que terminamos nossas entrevista naquele dia, Christina disse, “Escreve coisas legais sobre mim!”. É bizarro ver um lado diferente, não amigável, enquanto ela está com certas pessoas, mas eu realmente gostei dela enquanto conversávamos sozinhos. Talvez a infância difícil dela não seja uma desculpa, mas uma explicação. Ela pode ser uma completa diva – mas mesmo que seja só por uma hora e meia, ela consegue ser legal também.


Voltar para Revistas – 2002 e 2003