Revistas \ 2003 \ US Weekly (Fevereiro)

A US Weekly é uma revista de fofocas e notícias sobre celebridades

Beleza perturbada – A polêmica cantora finalmente fala sobre como superou o abuso doméstico

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

Ame-a ou a odeie, a polêmica e incrivelmente talentosa Christina Aguilera é uma sobrevivente. Agora, pela primeira vez, a Suja – e Linda – garota conta para a US como ela superou um passado de abusos pelo pai, tortura por colegas de escola e, recentemente, melhores amigos traidores. O MUNDO DE CHRISTINA.

Durante uma noite da última primavera, Christina sofreu um repentino ataque de pânico na casa dela, em Los Angeles. “Saí correndo de casa e só parei no final da rua, trêmula”, ela diz. Eventualmente, a cantora se escondeu embaixo de um carro até que conseguiu se recompor. “Eu não queria que ninguém me encontrasse nem me visse”. Sem citar nomes, uma Aguilera surpreendentemente pensativa, aos 22 anos – durante uma pausa nas gravações do novo clipe, de Beautiful – explica que ela teve impactantes brigas com amigos que ela considerava próximos.

Ela teve um problema financeira com um, enquanto o outro, ela diz, estava estava ameaçando escrever um livro de segredos. “Eu me escondi em uma bolha e sequer respirava perto dos outros”, ela lembra. “Eu não sabia o que fazer, ou em quem confiar. Essa foi minha maior decepção, os problemas de confiança”.

Sem dúvida, um estato chocante para a mulher que, há apenas alguns meses, lançou com atitude uma centena de controvérsias com o clipe de Dirry, uma festival de couro, pele à mostra e suor. Mas a imensamente talentosa e vencedora de 2 Grammy – cuja balada Beautiful já é um top 5 – continua a ser tão complicada e complexa quanto polêmica. Afinal, esta é a mulher que está planejando uma possível turnê de verão com o amiguinho Justin Timberlake, 22 anos (ex-namorado da rival Britney Spears) – e que irá comandar o evento NBA All Star Ready To Achieve Celebration no dia 08 de fevereiro ao lado do ex-N’Sync. Mmmm… será que tem algo por trás disso? Uma fonte diz a US que “Justin e Christina tem ligado um para o outro, tipo, ‘Ei, estou indo em tal lugar hoje. Me encontra lá?'”. Um amigo de Justin nos contou que o par ocasionalmente se encontra, assim como fizeram no dia 9 de janeiro, quando chegaram juntos no The Lounge e dançaram.

Enquanto a palavra oficial do time de Aguilera é “Desculpa, nada de romance”, lembre-se que esta é a mulher que adora surpresas: ela usa calças cortadas sem medo em público, mas ainda assim cita Julie Andrews como uma de suas cantoras favoritas; na música, ela pulou do choque de Dirrty para a mensagem bela por trás de Beautiful. Aguilera diz que: “Tentei cobrir várias coisas que considero injustas na sociedade, onde pessoas te julgam ou discriminam só porque você vive como você é”.

A sensibilidade dela provavelmente veio com a experiência. Apesar dela já ter dado dicas sobre o passado abusivo que ela sofreu, Aguilera e a mãe Shelly Kearns, de 42 anos, agora revelam, em uma entrevista exclusiva, um sumário do abuso físico que passaram na mão do pai de Aguilera, Fausto Aguilera, hoje com 54 anos de idade. Na verdade, “I’m OK”, uma música do novo CD, Stripped, diretamente lida com a experiência de violência doméstica.

“Eu me lembro quando estava ajoelhada na varanda de madeira da nossa casa, em Pittsburgh”, Aguilera diz baixo. “Eu olhava para o nosso quintal, desejando ser famosa um dia. Um desses desejos era mudar o ponto de vista das pessoas. Eu queria falar abertamente sobre violência doméstiva”. Jim Fidler, um músico canadense que também é primo de Aguilera, admira a força dela. “Christina ergue a cabeça sobre os ombros”, ele diz. “De tudo que ela já viveu até agora, tudo a tornou uma pessoa mais forte”.

COMO TUDO COMEÇOU.

A violência na casa dos Aguilera, diz a mãe de Christina, era comum. Kearns e o equatoriano Fausto se conheceram na faculdade, e casaram em 1979. Diversos anos depois que Christina, a primeira de duas filhas, nasceu em Nova Iorque (ela tem uma irmã, de 16 anos. Kearns tem um filho do segundo casamento, Michael, de 6 anos), a família se mudou para o Japão, onde Fausto, um sargento do exército americano, foi lotado. Kearns diz que ela acha que o abuso era algo que Fausto sofreu na própria infância. “Eu me lembro de ter sido empurrada com força até cair, uma vez. Ele ficou ali, parado com raiva, enquanto um membro da família dele estava no mesmo cômodo sem nem se importar, como se fosse comum”, ela diz. “A campainha tocou, e esse parente dele passou por cima de mim e desceu para atender a porta”.

Apesar de ter sido Kearns quem sofreu a maior parte da raiva de Fausto – ao ponto de dormir com spray de pimenta embaixo do travesseiro – ela conta que Christina também era uma vítima. Kearns se lembra de um incidente que ocorreu quando a filha tinha 4 anos. “Eu encontrei Fausto bravo, e Christina tinha sangue escorrendo do canto da boca pelo queixo. Eu enlouqueci. Ela disse, ‘Papai falou que eu estava fazendo muito barulho e ele queria dormir’. Eu perguntei o que ele estava pensando, e ele respondeu que ‘errou’. Disse que tinha mirado no bumbum dela e acobou acertando a boca. Eu a levei para cima e a limpei longe dele.

Kearns disse que a dependência financeira evitou que ela fugisse com a família; finalmente, quando Christina completou 5 anos, elas deixaram o Japão e se mudaram para a casa da mãe de Shelly, Delcie Fidler, ao redor de Pitsburgh. (O pai de Christina, que já chegou a negar essas histórias no passado, não quis comentar).

Lá, Aguilera começou a desenvolver a poderosa voz de multi-oitava. Ainda assim, não tinha muitos amigos (a mãe de Aguilera diz que o talento da filha a alienava dos demais). Como resultado, Aguilera sofria bullying, e a propriedade delas era constantemente vandalizada. “Ela chegava atrasada na aula para evitar que os colegas tivessem tempo de ameaçá-la antes de ir para a sala”, diz Kearns. “Eles fizeram da nossa vida um inferno”.

Ainda assim, Aguilera se manteve forte. Depois de ir para Orlando para um teste, ela entrou para o elenco do Novo Clube do Mickey em 1993 – ao lado de Britney Spears e Justin Timberlake. Em 1998, quatro anos após o fim do Novo Clube do Mickey, ela assinou um contrato com a RCA Records. O disco de estreia lançado em 1999, Christina Aguilera, vendeu mais de 12 milhões de cópias e criou 4 singles #1, incluindo Genie In A Bottle e What A Girl Wants.

ALCANÇANDO O SUCESSO.

De repente, Aguilera se tornou uma grande estrela – com uma reputação ainda maior de ser diva de tendências controladoras e timidez reservada. “Uma criança que sofreu abuso geralmente cresce com problemas de confiança”, diz um psicólogo de Nova Iorque, Dr. Jane Greer. “Eles não se abrem muito com os outros. Se tornam assustados e tímidos, com medo de perder o controle”. Surgiram brigas com celebridades, tanto em boatos (Britney, por exemplo) quanto reais (com Eminem, que a xingou em uma música), assim como críticas por parte da imprensa, tanto pelas roupas provocantes quanto pelo sugestivo clipe de Dirrty.

Star, uma DJ da rádio Hot 97 FM em Nova Iorque, diz do clipe: “Existe um limite onde as pessoas começam a comentar, ‘sabe, você está fazendo o papel de tola’. Eu não quero falar isso ainda, e não acho que ela tem que ir tão distante para provar que é uma cantora talentosa”

É verdade que Aguilera tende a ir para o lado da polêmica, mais recentemente com as provocantes capas da Rolling Stone, Maxim e Blender. Mas ela não aceita o que vê como comportamento discriminatório. “Olha Ricky Martin”, ela diz com os olhos arregalados. “É tão fácil para um homem chegar em um clipe e jogar cera quente no corpo de uma mulher, fazendo movimentos sugestivos com o quadril. Em She Bangs, ele tem uma cena no chuveiro que é um orgia, com garotos e garotas subindo uns nos outros”.

E parece que todo mundo – incluindo membros do elenco de Saturday Night Live, que recentemente parodiou Dirrty com Sarah Michelle Gellar no papel da cantora – tem uma opinião sobre Aguilera. “Ela não achou aquela cena engraçada”, diz a amiga e estilista Trish Summerville, de 33 anos, sobre o quadro do SNL. “Ela falava, ‘eu queria que ao menos fosse engraçada. Eu podia ter ido e feito a cena eu mesma'”. Mas Aguilera também tem apoio, como o famoso quebrador de barreiras, Mick Jagger, do Rolling Stone: “Ela não é mais abusada do que o resto de nós”. A rapper Missy Elliot, que colaborou com Aguilera no sucesso Lady Marmalade, aplaude a coragem dela: “Se você tem, mostre. É isso que eu gosto nela, ela assumiu aquele risco”.

E enquanto a opinião pública se mantém mista, Aguilera parece estar assumindo controle da vida pessoal. Ela terminou com o namorado e primeiro amor Jorge Santos, de 22 anos, em 2001 , após um ano juntos – e se mantêm em termos amigáveis até hoje. (Timberlake não estaria no radar de Aguilera, já que ela alega prefere rapazes mais escuros). Ela também começou a fazer as pazes com o pai. “Ele me escreveu uma carta dizendo que ouviu a música”, diz Aguilera, que não revela o paradeiro dele hoje. “Ele disse, ‘perdão pelo que aconteceu no nosso passado, e perdão pelo abuso’. Eu fiquei feliz que ele me escreveu algo tão maduro e conseguiu aceitar o que acontecia. Ele respeita o que eu estou tentando fazer. Ele sabe e entende que a música para mim é uma forma de liberação e cura”.

Ele também tem se curado com terapia,  de acordo com Summerville. “Christina e Fausto não são próximos”, Summerville diz. “Mas eles se falam uma vez ou outra em raras ocasiões. Elão não sabia se queria ou não responder a carta dele, mas acabou escrevendo de volta… ela está numa fase em que pode ser forte com tudo e aberta o suficiente para lidar com as coisas”.

Agora, depois da recepção fraca de Dirrty nas rádios, a carreira de Aguilera se fortalece com a popularidade de Beautiful. Stripped, que tem colaborações com Lil’ Kim, Alicia Keys e Linda Perry (a compositora e produtora que ajudou Pink a ganhar credibilidade no rock), continua vendendo bem desde que foi lançado em outubro, permanecendo no Top 10 e caminhando para a segunda platina.

Aguilera recentemente comprou uma casa no subúrbio de Pittsburgh para a mãe, que é casada com o paramédico Jean Kearns há sete anos. Na continuação, Aguilera, que comprou uma casa de US$ 2.75 milhões em Los Angeles e tem uma fraqueza por pizza e batatas fritas, jogos de tabuleiro e Hello Kitty, lançará um outro single após Beautiful, que ainda não foi decidido.

Com relação a qualquer crítica futura que apareça no caminho dela, a estrela está mais do que preparada. “Eu sei no meu coração que é assim que me sinto confortável sendo”, ela diz. “No final do dia, eu consigo me olhar no espelho para dizer sem medos, ‘eu sou bonita'”.


Voltar para Revistas – 2002 e 2003


Anúncios