Revistas \ 2003 \ Maxim (Janeiro)

A MAXIM é uma revista voltada para o público masculino adulto, com apelo sexual.

Christina Aguilera despida! A edição mais quente da história da Maxim!

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

NÓS ESTÁVAMOS assistindo ao clipe de “Dirrty” pela 37ª vez um dia, quando esse editor teve uma ideia repentina: Porque nós não inovamos e fazemos uma matéria com a Christina Aguilera completamente vestida? Hoje, esse editor tabalha na revista Details.

ENTÃO, o que Christina Aguilera tem feito enquanto suas colegas têm jogado ciclete nas gargantas dos viciados no TRL? Em primeiro lugar, ficando toda sensual. OK, tiveram outras coisas também. Como descansando um pouco depois do mega-sucesso do disco de estreia. E expandindo seus horizontes musicais ao regravar “Lady Marmalade” com Lil Kim e Pink. E escrevendo quase todas as músicas do seu novo trabalho recheado de hip hop e soul, Stripped. Mas principalmente, a pequena poderosa de Pittsburgh tem crescido, deixando de ser uma adolescente inocente de 18 anos para uma assanhada artista de 22 anos que não tem medo de levantar sobrancelhas com um som e vídeo mais ousados e crus tão recheados de sexo que são capazes de fazer Britney Spears parecer uma freira bibliotecária. Não há dúvidas de que quando Christina volta para os holofotes, ela pode fazer meio vestida, mas nunca pela metade.

 Nós tivemos que proteger suas fotos com inibidores de fogo para impedir que elas entrassem em combustão espontânea. Como elas refletem que você é agora?

Eu amo brincar com o lado sensual das coisas. Esse é um lado forte em mim, e fazer essas fotos foi muito divertido. Eu ri muito na água. Por esses motivos que eu gosto de ser uma garota, homens não conseguem ser sexies como a gente, ok? Simplesmente não dá. Eu prefiro ver uma edição da Maxim a uma revista com homens nús a qualquer dia.

Que estranho, nós também! Mas muitas mulheres dizem que elas se vestem mais para agradar as outras que os homens.

Sério? Eu não sou assim.

Você se sente confortável nua?

Claro. Às vezes, em casa, eu ando só de roupa íntima ou algo assim. Lingerie é uma das minhas maiores coleções. A menor que eu tenho é um daqueles adesivos de cobrir os mamilos, com efeites pendurados. Ela combina com uma roupinha de marinho, é linda!

ÔPA! É por isso que seu novo CD é chamado de Stripped?

Na verdade, não mesmo. É mais sobre eu estar mostrando toda a minha alma, despida de tudo exceto de quem eu realmente sou.

Quem você realmente é parece usar muitos piercings.

Eu gosto dos meus piercings. Eu não vou falar quantos eu tenho e onde eles estão, mas alguns são visíveis e outros estão em… lugares especiais que eu realmente gosto. É uma mania que eu comecei enquanto estava em turnê. Sempre que um dia estava indo muito mal, eu colocava mais um piercing. Me dava uma sensação de poder, era algo que eu podia controlar. Eu também gosto da sensação que os piercings dão quando estão sendo colocados.

Porque você deixou passar três anos desde o seu último álbum?

Naquele primeiro CD, eu estava trabalhando como uma louca. Eu gravei o álbum em espanhol e de natal ao mesmo tempo e enquanto estava em turnê, o que foi muito difícil. Eu estava à mercê das ordens da gravadora, que ameaçava meus empresários dizendo que se eu não fizesse isso ou aquilo, eu perderia meu contrato. É óbvio que eu ia fazer o que eles mandassem para manter minha carreira, mas eu quase fui parar no hospital.

Ia ser meio vergonhoso se isso acontecesse enquanto você usava aqueles adesivos.

Eu mudei meus empresários e finalmente consegui viver a vida um pouco, montei minha casa, ganhei meus cachorros. Eu consegui refletir, porque eu queria escrever sobre muitas coisas que me aconteceram. Eu sei que minhas colegas do pop produziram CD atrás de CD, mas eu queria que o meu fosse mais focado em qualidade que em quantidade.

Qual a maior surpresa das pessoas com esse novo álbum?

Meus fãs ou as outras pessoas? Porque eu sei que, para as outras pessoas, é muito difícil dizer algo legal de mim, e isso é muito chato. Mas com meus fãs, eu fui muito aberta dizendo que esse seria meu trabalho de crescimento. É realmente quem sou, pela primeira vez, quase uma nova artista. Talvez eles não esperem uma música como Make Over, porque eu sou muito perfeccionista e tem muitas falhas e imperfeições nesse faixa. Mas é assim que eu queria que ela ficasse, eu aprendi que os erros podem ser muito belos.

A imensa onda pop em que você surgiu está morrendo agora?

Eu espero que sim [risadas]. Eu já passei por essa fase. Eu ouço algumas coisas a respeito disso e penso, ‘Oh, ainda existe mercado para isso?’. As modas musicais acontecem em ciclos, então eu sei que essa onda vai voltar. Esperançosamente, em outro nível.

Quais seus sentimentos com Eminem, que te atacou explicitamente nas letras dele?

Na verdade, eu me encontrei com ele nos bastidores do último VMA. Eu disse: “Ei, essa briga entre nós dois é completamente desnecessária. Você achou que eu tinha te criticado e eu nunca direcionei aquele comentário à você. Eu vim de um passado ruim que é importante eu comentar com as pessoas”. Ele disse, “Olha, todo mundo tem um passado assim. E quer saber? Vem cá.”, e ele me abraçou. O único problema que eu tenho agora é que tem uma música no meu CD que a imprensa já está noticiando que é para falar mal do Eminem.

Seria ela a Can’t Hold Us Down?

Só para registrar, ela não é um ataque a ele de forma alguma. É uma música para as mulheres. Eu não quero começar a Terceira Guerra Mundial, segundo round!

Você ficaria feliz se nunca mais ouvisse a palavra Diva?

Quando as pessoas usam para me comparar a grandes cantoras, é um elogio imenso. Mas não faz meu estilo ter chiliques malucos ou andar por aí em roupas absurdamente chiques. Simplesmente, não sou eu.

Sua voz é capaz de jogar um CD para fora do aparelho de som. Quando você percebeu que tinha todo esse poder?

Eu comecei cantando em festinhas e churrascos quando eu tinha 6 anos, então eu era conhecida na cidade como a garotinha do vozeirão. Uma vez, quando eu tinha 7 anos, um cara não acreditou que quem cantava era eu e desligou o meu microfone no meio da minha música, eu fiquei apavorada. E ele ficou perdido, “Oh meu Deus, ela está cantando mesmo!”.

Você sempre soube que um dia viraria uma superestrela?

Certamente eu não ia parar enquanto eu não conseguisse ser uma [risadas]. Não cantar era uma ameaça para mim. Quando eu não arrumava meu quarto ou respondia minha mãe, ela falava: “É essa história de cantar que está te deixando assim? Porque se for, eu vou parar de te deixar fazer isso!”. Não poder cantar mais? Era o fim do mundo para mim. Eu imadiatamente respondia, “OK!!”.

Quando você estava no Mickey Mouse Club, foi fácil chegar à puberdade?

Ela vai me matar por revelar isso, mas Britney e eu estávamos loucas para ter logo a primeira menstruação! Tinha tantas garotas mais velhas do que nós duas, e a gente ainda tinha 11 e 12 anos, estávamos só começando a mudar. Graças à Deus Britney estava lá comigo, porque nós duas certamente precisávamos uma da outra.

Continuando, sobre esses boatos de brigas com Britney: uma luta no Boxe das Celebridades poria fim à tudo isso?

Às vezes, a imprensa leva as coisas a um nível tão extremo, mas a verdade é que Britney e eu éramos muitos próximas e agora estamos fazendo nossos caminhos. Eu não falo com ela tanto quanto talvez gostaria, e nem sei o quão próximas nós seríamos hoje. Acho que nós crescemos para ser duas pessoas muito diferentes.

Como por exemplo, você nunca anunciou que era virgem. Essa informação era algo que você ficou feliz por não ter que compartilhar?

Era algo que era verdadeiro para mim, e eu tenho problemas em não dizer a verdade. Eu jamais conseguiria chegar lá em cima de dizer “Eu vou esperar até o casamento, etc etc etc”. Eu não sou conservadora com essa história de sexo. Eu tenho problemas com a maneira generalizada de pensar que os homens merecem elogios por fazer sexo e as mulheres merecem um monte de nomes. Então melhor para a mulher que consegue desfrutar do sexo e não se envergonhar disso. Eu apoio qualquer uma nesse sentido, 100%.

Você já usou algum dos seus discos como música no quarto?

Não, nunca! Mas uma vez um cara me disse: “Ei… quando seu álbum estiver pronto…”, enfim, dá pra imaginar. Eu pensei: “Sério? Que coisa bizarra.”. Eu não sei como é fazer ouvindo uma das minhas músicas. Eu ficaria distraída, pensando, “Hmm, aquela nota poderia ter saído melhor.”. Muito distraída.

Mas como você disse, você não é nem um pouco recatada nessa área.

Eu gosto de experimentar várias coisas. Senão eu fico entediada com o tempo. O homem tem que ser bem criativo, mas ainda assim saber se eu fico confortável com o que ele tem em mente. Às vezes, eu gosto mais calmo e doce. Às vezes, dependendo do clima, eu gosto mais agressivo.

O homem tem que deixar você ganhar?

Eu não gosto de ninguém me deixando ganhar nada! É por isso que maquiadores me odeiam, eu chego nas sessões toda cheia de hematomas. Eu gosto de um pouco de selvageria. Algemas são divertidas. Ok, é isso! Não falo mais nada!

O que um homem não pode fazer com você?

Tentar ser legal com a frase, “Eu preciso te falar – Você é muito melhor que a Britney Spears”. O que que eles esperam que eu responda a isso? E outra coisa que eu também odeio: Às vezes, eu olho para um homem que sabe quem eu sou, mas quando ele vem falar comigo, chega com um papo de “Então, qual sua profissão?”.  Seria diferente se ele não soubesse, mas você percebe quando ele só quer parecer descolado. Eu geralmente respondo que trabalho no McDonald’s.

E se a gente só sorrir e ponto, então?

Eu gosto de sorrisos. Eu me lembro de um cara assim: Eu estava com minhas amigas na área reservada de uma boate, separada por uma varanda, e esse cara olhou para o meu lado e deu um sorriso imenso. Não um sorriso tímido, mas bem sincero, caloroso, aquilo me impressionou. Mais tarde ele se aproximou e tentou falar comigo, e aquele foi um bom começo, sabe? Porque eu odeio quando os homens tentam parecer durões ou fingem que não te olham.

Um cara na primeira fileira do seu show tem uma chance com você?

Depende. Eu nunca falaria que não porque é injusto, e eu gosto de homens mais normais. Eu conheço pessoas que jamais sairia com fãs, mas eu não sei, conhecendo melhor…

Você daria um passe livre ao camarim?

Nessa turnê, mmm… [risadas]. Se os homens podem, mulheres também podem. Só tenho isso a dizer.


Voltar para Revistas – 2002 e 2003


Anúncios