Revistas / 2002 / Allure (Maio)

A Allure é uma revista de dicas de beleza e moda voltada para o público feminino

Christina Aguilera abre o jogo

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

DUPLA PLATINA – Christina Aguilera se sentiu presa na imagem de pop açucarado. Enquanto ela grava um novo álbum, uma artista mais escura e ousada finalmente se liberta

SE VOCÊ ACHA QUE CHRISTINA AGUILERA é uma diva ou uma vaca – como muitos tabloides americanos dizem que ela é – ela não está inteiramente surpresa. “Eu li uma história”, ela diz, “que falava: ‘Christina Aguilera tem um chilique porque quarto não estava perfeito’. Eu não sei porque eu fiquei taxada com essa imagem. Eu acho que, talvez, as pessoas me viram, no passado, interagindo com algumas pessoas de forma não saudável, ruim”. A equipe dela saiu do quarto em que estamos, no Mercer Hotel em Nova York, e agora que ficamos sós, ela parece feliz em contar o que lhe vem à mente.

“Eu ficava tão brava – eu me senti muito enclausurada enquanto estava em turnê porque as pessoas me tratavam de uma forma nada legal. Como depois do Video Music Awards, me jogaram dentro de um helicóptero para aparecer nesse pequeno programa de internet que nem estava na minha agenda; ninguém me falou dele. Todas as coisas aconteciam pelas minhas costas”.

Aguilera passou muito dos três últimos anos como uma fábrica de fazer dinheiro, muita gente do lado dela se acostumou à enfiar a princesa do pop dentro da garganta dos outros – e com força. Vinte e três milhões de álbuns (e quatro singles #1) demais.

“Por um tempo”, ela conta, “chegou ao cúmulo de eu começar a perder minha voz e eu pensei que teria que ser hospitalizada se continuasse trabalhando naquele ritmo. Eu acabei me tornando muito introvertida. Não estava nada feliz. Quando as pessoas vêem uma pop star infeliz, logo imaginam que ela é ingrata, esnobe e mimada. Mas ninguém sabe mesmo o que está acontecendo”, ela conta. “Eu preciso comer, dormir e fazer todas estas coisas que não eram levadas em consideração. Eu pensava, ‘Quando eu vou ter tempo para ir ao banheiro?’. Não estava na minha agenda”.

Hoje, as pessoas que fizeram isso são, felizmente, história – ela trocou o time de empresários. Agora, Aguilera está trabalho para mudar outro problema de imagem: a que diz que ela é uma mera estrela pré-fabricada para a MTV, um confeito artificial do set do TRL.

“Quando você é novata nessa meio”, ela diz, “e assina com um selo, as pessoas decidem o que você vai ser, mas você está tão empolgada que faz, ponto final. Então, você percebe, ‘Cara, eu não sei se isso é o que eu quero não'”. Com o novo álbum (ainda sem título e agendado para ser lançado no final do verão), muito do qual ela está escrevendo e produzindo, Aguilera está se afastando da reputação chiclete. “Agora eu estou fazendo meu próprio material e deixando as pessoas saberem que tem uma artista por trás da cantora”.

Ela cita a lendária cantora de R&B Etta James como uma inspiração do novo trabalho. “Eu fiz um cover dela, ‘At Last’, na minha turnê, e estou gravando outro para o meu álbum, ‘I Prefer You’, uma música rápida e assanhada”.

Aos 21 anos, Aguilera tem cantado grandes músicas para as massas deste a infância. Ao crescer em Pittsburgh (o pai era militar e “não ficava muito em casa”, então muito da criação foi feito pela mãe pianista/violinista), Aguilera chegou aos holofotes cantando em eventos locais, que levaram a uma aparição, aos 8 anos, no Star Search (Ela perdeu, mas no ano seguinte, ela cantou o hino nacional em um jogo dos Steelers). Aos 12, ela fez parte da hoje legendária classe de 1993 do Clube do Mickey (Britney Spears, Justin Timberlake e JC Chasez do N’Sync, e a artiz Keri Russell, foram todos colegas de elenco). Após cantar Reflection na trilha sonora de Mulan, da Disney – que lhe rendeu uma indicação ao Globo de Ouro aos 18 anos – Aguilera se lançou na fama internacional com o primeiro single, Genie In A Bottle.

“Agora é que as pessoas vão ver quem sou de verdade”, ela diz, já que o novo álbum está lotado de letras inspiradas pelas batalhas pessoais com amor, traumas familiares, e particularmente, integridade artística. “Estou crescendo”, ela comenta rindo. “Eu não posso mais entrar em um estúdio de tatuagem e piercing sem sair com algo novo. Este [apontando para o lábio inferior] é o mais recente. Eu fiz em Atlanta. Minha amiga queria colocar um percing no nariz, e eu pensei, ‘Ah, dane-se, vou colocar um no meu lábio!”.

Quantos piercings são hoje? “Onze. Eu não vou te contar onde todos estão, mas você deve imaginar”.  É uma distância imensa dos primeiros anos dela (se você consegue chamar os anos 90 de primeiros anos). Quando assinou com a gravadora, Aguilera conta que o visual – guarda-roupa, cabelo e maquiagem – “era basicamente monitorado pela RCA para garantirem que era legal. Todos queriam a garota toda americana”. Ela pausa, e então solta uma generosa risada. “Talvez seja por isso que estou me rebelando!”.

Agora ela está confortável ceder um pouco. A performance no encerramento das olimpíadas de inverno, por exemplo, foi bem discreta para os padrões da Aguilera, que cedeu ao desejo dos organizadores do evento. “Apesar disso, eu fiquei muito brava porque as pessoas acharam que aquela era minha performance de retorno. Não era. Minha performance de retorno”, ela diz, “será explosiva!”.

SHOW DE STRIP

“Eu estou tentando não fazer muita ginástica vocal. Antes, para compensar o fato de que eu fazia música que eu não queria fazer, eu exagerava para provar que tinha talento. Era exagerado. Para esse álbum, tudo está despido às necessidades mínimas”.

TERAPIA DO GRITO

“Linda Perry, do 4 Non Blondes, me ensinou a não ter medo da minha voz. Ela dizia, ‘Você tem que parar de se preocupar com essas técnicas. Só relaxa e canta – o que sair, saiu’. Ela falava ainda, ‘Eu ouço algo em você. É um lado reprimido, obscuro’. Eu acho que são as coisas do meu passado – meu pai e tudo mais. Uma das músicas novas é mais rock, e Linda me fez cantar e gritar no refrão, ‘Eu só quero escapar!’. É sobre liberdade. Achar força em mim mesma”.

STAR SEARCH

“Mesmo quando eu era pequena, eu sabia que queria cantar. Eu assistia especiais na televisão ou vídeos da Janet ou Whitney, e começava a chorar porque queria tanto fazer aquilo também!”.

VALORES FAMILIARES

“Minha mãe e avó me criaram. Elas apoiavam 100% o que eu queria fazer, estavam sempre dizendo: ‘Olha, vai ter gente tentando fazer isso ou aquilo com você’. Até mesmo na minha cidade, foi difícil descobrir quem eram meus amigos de verdade por causa dessa coisa de celebridade. Mas minha mãe sempre falava, ‘Isto está subindo na sua cabeça! Vamos parar de cantar!’. Me ensinou a manter o pé no chão”.

PASSOS DE BEBÊ

“Antes da minha turnê, era só eu e os executivos que tinham 20 anos a mais que eu. Você cresce rápido assim, mas eu não tinha ninguém do meu lado que gostasse de sair comigo para boates e tudo mais. Quando os meus dançarinos apareceram, eu pensei logo, ‘Esses são meus garotos! Meus parceiros!'”.

INDO AOS CACHORROS

“Jorge, meu ex-namorado, me comprou meus cachorros. Eles são lindos. Eles tinham que ser pequenos o suficiente para que eu viajasse com eles. Os nomes são Stinky e Chewy, que me acompanham só nas viagens mais curtas. Vão ficar bravos com a mamãe quando eu voltar”.

QUASE FAMOSA

“Eu estava em um elevador quando entrou este cara bêbado, em Atlanta. Eu trabalhei a noite toda no estúdio, e ele chega falando ‘Você é a Chrisssssstinnna Aguilerrrra!’. Eu fui meio, ‘Sou a prima dela.'”.

NEGÓCIO ENGRAÇADO

[Sobre a música obcena de Eminem, The Real Slim Shady, no ano 2000]. “Quando você insulta uma garota desta forma, eu não vou me comportar tipo, ‘Ha ha ha que brincalhão!’. Como mulheres, nós temos que lidar com baboseira como estas. Eu vou retalhar. Se você tem algo a me dizer, diga na minha cara. Você consegue meu número com o seu pessoal”.

PRIMEIRO AMOR

“Eu foco muito na minha carreira e ainda tenho problemas com vulnerabilidade. Minha mãe passou por um casamento muito complicado, e presenciar isso me magoou. Eu pensei, ‘Eu nunca vou deixar um homem fazer isso comigo’. Eu pensei que estar em um relacionamento é sinal de fraqueza. Mas quando eu me relacionei com Jorge, eu quis ceder, quis estar lá todo minuto. Eu nunca sequer tinha tido uma paixão forte por um cara antes. E simplesmente aconteceu, no meio da turnê. Nós estávamos dançando juntos, passando muito tempo juntos, e nos apaixonamos. Apesar de não estarmos namorando mais, ainda trabalhamos juntos. Ele é uma pessoa incrível. E eu o amo”.

MOULIN RUDE

“Todo mundo dizia, ‘Não faça Lady Marmalade’, ‘É muito urbano para você!’. Mas eu queria fazer. As garotas [Pink, Lil’ Kim, Mya e Missy Elliot] foram ótimas para trabalhar – tipo um ‘vamos brincar de se arrumar por um dia!’. Se você está fazendo um clipe para um filme como Moulin Rouge – digo, é sobre uma casa de prostitutas – você tem que se vestir de forma divertida. Eu adoro esse tipo de risco”.

O SEGREDO DA CHRISTINA

“Se eu fico sozinha em casa, hoje, eu vou estar vestindo uma blusinha branca e cueca. Tem uma linha de cuecas chamada Skimpies. São as minhas favoritas.”

TOQUE DE REALIDADE

“Eu sou uma garota minúscula. Eu tenho um metabolismo rápido, mas minha idade tem reagido neste ano, porque de repente eu percebi, ‘De onde saiu essa barriguinha?’. Eu percebi isso nas minhas coxas também, então contratei uma treinadora. Não para perder o peso, porque eu gosto de ter um pouco mais de carne”.

BOOTY CALL

“Eu gosto de garotas com bastante bunda. Curvas são supersexy. Uma coisa que eu odeio é uma garota com peitos falsos imensos e nenhuma bunda. Tipo, ‘O que aconteceu com ela?'”.

CHRISTINA NO BOXE

“Minha treinadora e eu treinamos box, mas eu não cheguei a participar de nenhuma luta ainda. Se tiver que realmente enfrentar alguém, vamos ver como eu me saio. Eu quero colocar um ring na minha casa – um ring de verdade”.

CHRISTINA VS. BRITNEY?

“Apresentar com Britney no prêmio da MTV em 2000 foi minha parte favorita da noite. Quando estávamos no Clube do Mickey, costumávamos ser melhores amigas – e é tão engraçado como nossas carreiras nos levaram à lugares em que existe uma suposta rivalidade. Mas eu tento entender, porque todos procuram por algo para falar.

“EU NÃO SOU MUITO CONSERVADORA”

“No Grammy nós íamos cantar Lady Marmalade pela última vez, e eu quis fazer algo diferente com meu cabelo, mais antigo Glamour de Hollywood. O vestido que eu usei depois era Dior. O cordão de diamante era antigo, também. Mas a cruz, para mim, deu um toque de ousadia. Eu tinha que colocar algo ousado ali!”

“Aaaah! Esse assustou todo mundo! Céus! Alguém disse que tinha um poodle no meu cabelo. Mas eu quis usar um afro, então simplesmente pensei: ‘Vamos fazer um!’. E esse vestido era uma loucuraaa!”

“Originalmente, eu não estaria com a barriga de fora. Era o maior número de roupas que eu já tinha usado no palco. Mas eu estava tão confortável com a temperatura das olimpíadas de inverno que acabamos decidindo ir sem o material extra”.

 “Oh Deus, esse é loucura! As pessoas dizem ‘Este foi o limite!’, ‘Porque ela está se vestindo assim?!?’. Mas eu estava interpretando um papel, não sou eu de verdade. Quer dizer, sou eu, um lado diferente que gosta de brincar e se divertir, obviamente, mas é só uma fantasia”.

“Eu gostei muito deste vestido vermelho, as mangas latinas, o sapato de salsa. Foi Trish Summerville quem desenhou este vestido”.

 “Todo mundo pensou que nós combinamos a roupa, mas não teve nem um papo do tipo ‘O que nós vamos vestir? O que você vai vestir?’. Britney e eu simplesmente aparecemos no que nós iríamos vestir e foi isso.”
“Esta foi para a performance de abertura da minha turnê, minha roupa no primeiro número. Não dá para você ver nessa foto, mas eu estava com três rabos de cavalo. Foi como numa animação japonesa, algo meio futurístico”.
“Eu amo essas tranças. Até hoje eu faço algumas mechas assim. Estas do Grammy demoraram uma seis ou sete horas para fazer – eu fiquei acordada até umas 4 da manhã para terminá-las, na semana anterior.”
“Nós conseguimos estes vestido Versace bem antes do Grammy e ele não coube em mim. Fiquei tão chateada. E ele é muito pesado – o material dele é todo de metal. Pesava uns 9 kilos mais ou menos.

“Esse é muito estranho. Talvez fosse melhor se não tivesse essa coisa peluda”.
“Esta parece tirada em uma outra vida. A roupa é meio de bebê, parece algo que você veste quando acaba de nascer”.

“Quando eu entrei no tapete vermelho [do BET Awards], Jorge [meu ex-namorado] disse: ‘Sua bunda está aparecendo!’. Minha saia, por baixo do vestido,tinha subido toda. Eu liguei para minha mãe e disse: ‘Se você vir minha bunda, não foi planejado!'”.

“De todas as garotas, Pink e eu ficamos amigas. Eu gosto dela porque ela é sincera. Meio que, ‘Você é aquela mesma pessoa que canta todas aquelas coisas nos seus discos?’. Essa menina hardcore é muito, ‘Oi!!’, tão doce e bonitinha!”

“Este vestido durou uns dois minutos, porque meu salto destruiu ele todinho nas pontas. Eu tive que trocá-lo assim que estas fotos foram tiradas”.


Voltar para Revistas – 2002 e 2003