Revistas \ 1999 \ Teen People (Dezembro)

A Teen People era uma versão da revista de celebridades People voltada para adolescentes

Christina Aguilera – o gênio realizou seus desejos: fama, fortuna e respeito

Traduzido por http://www.iloveaguilera.wordpress.com
Não copie, direcione o link

PESO PESADO. Armada com vocais nada menos do que magníficos, Christina Aguilera desbravou o caminho do Clube do Mickey ao topo das paradas. Mas esse gênio nem sempre viveu uma vida charmosa.

CHRISTINA AGUILERA tirou um dia de folga nas últimas seis semanas. Só isso. Mas é assim que acontece quando seu single e álbum de estreia vão para o #1: todo mundo quer te conhecer. E quem consegue negar um convite de Jay Leno, Rosie O’Donnell, David Letterman, Beverly Hills 90210, Good Morning America e Total Request Live?

Christina certamente não consegue. A garota de Staten Island tem sonhado com o estrelato desde, deixa eu ver, que nasceu. Mas também, quem consegue reclamar quando a palavra “trabalho” remete a participar de eventos grandiosos como o MTV Video Music Awards? “Sair da limosine e ser entrevistada por VJs da MTV, enquanto os fãs estão em volta gritando – foi a primeira vez que eu realmente me senti uma celebridade!”, diz Christina, ainda empolgada. “Eu assisto ao MTV Video Music Awards todos os anos, me dizendo que um dia eu estaria ali, e finalmente, eu consegui!”.

Conseguiu mesmo, e mais rápido do que ela imaginava. Três semanas e meia depois do lançamento, o disco de estreia já é platina dupla. E os críticos da música insistem que ela não é só mais um talento passageiro. A revista Time a chamou de “uma das cantoras mais abençoadas desde Mariah Carey”. David Frank, compositor e produtor de Genie In A Bottle, concorda. “Ela é uma cantora de verdade. Como Whitney e Barbra Streisend. Não é só mais uma que diz ‘Vou cantar direitinho e ficar bonita no meu clipe'”. O single, ele adiciona, “combina com o caminho da carreira dela: Christina Aguilera surgiu em meio a uma explosão, assim como os gênios fazem”.

SÃO 6 DA MANHÃ de um dos muitos dias lotados de Christina Aguilera, em setembro, e a “menina pequenininha com a grandiosa voz” está sentada na frente do espelho de maquiagem do Good Morning America. Acordar tão cedo não é fácil, mas a irmã de 13 anos de idade, Rachel (Christina a chama de Ro), que está visitando Manhattan com o resto da família, se arrastou da cama para passar o dia inteiro com a irmã mais velha – o que significa que ela vai visitar o Total Request Live da MTV mais tarde. “Ei!”, diz Christina, se mexendo na cadeira de maquiagem, “talvez eu consiga fazer Ro aparecer no TRL comigo. Eu vi Britney fazer isso uma vez com a irmã mais nova!”.

Britney, obviamente, é a outra estrela adolescente, Srta. Spears, com quem Christina atuava – ao lado ainda de Keri Russel (Felicity) e JC e Justin (N’Sync) – no Clube do Mickey, do Disney Channel, no começo dos anos 90. “Eu era muito próxima da Britney”, Christina diz, “Nós duas éramos as mais novas. Ficávamos admirando Keri Russel; ela era uma Barbie para nós. Ela tinha 16 anos na época, Britney tinha 11 e eu 12, e nós duas ficávamos babando com ela. Nós tocávamos o cabelo dela, éramos duas bobonas!”.

Christina disse que ela se divertia assistindo as amigas Mousequeteiras, especialmente Britney, alcançar a fama. “Me acostumei a ver o rosto dela em todos os lugares, mas quando a Rolling Stone [com uma Britney lolita na capa] saiu, eu pensava, ‘Meu Deus! Esta é a pequena Brit-Brit?!”.

UM DOS MOTIVOS de Christina ter aproveitado tanto o Clube do Mickey é que ela passava muito tempo com crianças que compartilhavam a mesma vontade pela fama. Christina, assim como a mãe Shelly Kearns comenta, “nasceu focada. Eu sabia que era como um carro que dirige por conta própria, então eu tentei fazer com que ela tivesse a religião em mente, no sentido de que ela é um dom que poderia ser tirado, e que toda a atenção voltada a ela era para Deus. Eu não queria que ela pensasse, ‘Oh, eu sou demais’. Eu sempre disse para ela, ‘Sua voz é ótima, mas o que me deixa orgulhosa é o tipo de pessoa que você é'”.

O pai de Christina, Fausto Aguilera, um americano-equatoriano, é sargento do exército e, por isso, ela sempre viajou para vários lugares, passando tempo em Nova Jersey, Nova York, Texas e Japão. “Eu sempre tive inveja das pessoas que tinham um melhor amigo de infância, porque eu nunca tive um”, diz Christina. “Eu sempre tinha que partir para próxima e me mudar”. Ela achou consolo na música. “Eu pegava uma baliza e chamava de meu ‘icofone’, cantando em cima de uma toalha como se fosse meu palco”.

QUANDO CHRISTINA TINHA CINCO ANOS, os pais se separaram, e ela, Rachel e a mãe firmaram residência em Rochester, Pa, na casa da avó materna de Christina, Delcie Fidler. (Em 1992, a mãe dela se casou com o paramédico James Kearns, criando uma mini Brady Bunch: Mãe, pai, Christina, Rachel, irmão agregado Casey – 16 anos, irmã agregada Stephanie – 13 anos, e depois, o meio-irmão Michael – 3 anos). Logo, ela começou a cantar em festinhas locais. “Eu assinava autógrafos antes mesmo de aprender a escrever com letra cursiva”, ela diz. “Eu ficava sentada, rabiscando algo quando eu mal sabia escrever meu nome”.

Mas aos 8 anos, quando ela se tornou uma participante no Star Search, (ou, como ela se chama, “uma perdedora do Star Search”), Christina descobriu que ser uma celebridade – mesmo apenas local – tinha seus pontos negativos. “Assim que eu entrei em Star Search, muitas amigas da minha mãe e outros pais não falavam mais conosco”, ela conta. “Algumas vezes, até os professores dificultavam as coisas, porque quando eu faltava por estar doente, eles comentavam ‘Oh, ela não estava nada doente. Estava cantando por aí'”. Ainda mais difícil, era se sentir excluída pelas outras garotas da sala. “Eu fazia uma amiga e essas garotas logo a roubavam de mim. Foi muito difícil”.

A mãe lembra dessa época com tristeza. “Christina chorava toda vez que o nome dela aparecia em um jornal, porque significava mais  motivo para ter medo do que viria na escola”, diz Shelly. “Nós recebíamos ameaça de que bateriam nela e o pneu do nosso carro era furado. Ela se atrasava para a aula porque na hora de sair de casa, não daria tempo dos outros alunos fazerem nada com ela. Ela passou a ter pesadelos, então nos mudamos”.

As dificuldades estimularam Christina a batalhar mais. “Acho que é por isso que me tornei tão introvertida e focada em minha carreira”, ela diz. “Você tem que tomar uma decisão: Você vai se deixar derrubar por essa situação, ou manter o foco e buscar o sucesso? Meu sonho de me tornar uma cantora assinada com uma gravadora me mantinha em frente”.

CHRISTINA ESTÁ ANSIOSA para esclarecer algo com o apresentador do TRL hoje, Carson Daly. Tudo começou há algumas semanas, quando ela visitou os estúdios da MTV na Times Square enquanto Carson estava de férias. Christina deixou um bilhete dizendo estar triste por ter perdido ele. Dias depois, uma manchete do USA Today anunciava: “Aguilera revela paixão secreta”. Na época, Carson estava em um relacionamento amoroso com Jennifer Love Hewitt, e o artigo indicava que Christina aguardava o fim do namoro dos dois. “Minha primeira reação foi, ‘Oh, sou importante o suficiente para falarem de mim!'”, ela diz. “Mas então eu percebi, ‘espera, isso não é verdade!'”.

Quando Christina se encontra com Carson no ar, a multidão na rua é enorme, e o público no estúdio vai ao delírio. A mãe espera nos fundos do estúdio, segurando Michael, que cobre os ouvidos para bloquear os tremores do estúdio enquanto Christina faz uma incrível performance de Genie In A Bottle. Durante um dos intervalos comerciais, uma latina na plateia pergunta à Christina se ela fala em espanhol. “Un poquito!”, Christina responde. “Minha mãe fez uma faculdade para se tornar tradutora, então falávamos a língua na minha casa, e eu entendo a maioria do que dizem. Mas é algo que eu planejo melhorar”. Apesar de Christina não morar com o pai nem ouvir falar dele há anos, ela abraça a herança cultural. Em casa, a mãe dela faz pratos equatorianos que aprendeu com a ex-sogra, como empanadas e uma bebida que Christina ama, preparada com aveia, abacaxi e canela. E logo, ela lançará uma versão em espanhol do álbum de estreia. (Ela recentemente contratou um treinador para lhe ensinar a língua).

“É algo sobre o que conversamos desde o começo”, diz o executivo Ron Fair. “É importante que seja um álbum autêntico, não uma mera tentativa de emulação”. Autenticidade é uma das marcas de Christina. “Eu fiquei honestamente impressionado”, diz Carson, sobre a performance no TRL. “Eu desci para ver a passagem de som porque havia pensado que a sala de áudio estava tocando o CD dela, até que percebi que ela cantava na hora, ao vivo. A voz dela é marcante; é comparável à de Celine Dion”.

Sobre o artigo do USA Today, Carson comenta que é uma pura fofoca exagerada. “Ela me deixou um bilhete, o que não é nada anormal. Já fizeram isso antes. Eu não levei muito a sério – não a liguei nem nada”, ele diz rindo. “A fábrica de boatos é descontrolada. É como se eu estivesse fazendo algo que eu nem sabia que estava fazendo. É ridículo. Mas ela estava me perguntando sobre Eminem – ela tem uma quedinha por ele. Eu que vou começar este boato, como é que fica?”. Christina admite admirar o rapper. “Eu gosto de rapazes malvados”, ela conta. “Se eu fosse escolher alguém para namorar, prefiro um roqueiro do que alguém de uma boyband”.

Voltando para o apartamento, Christina admite que “é difícil ter 18 anos e estar neste meio. Seu álbum é imenso e essas pessoas 20 anos mais velhas do que eu me passam a ver como um mero produto. Pode ser algo bem assustador. Eu só queria fazer música e, de repente, tudo é sobre esse pacote que você é, qual visual você tem que adotar. Todas as suas decisões são tomadas por outras pessoas”.

Um dos amigos de Christina, o dançarino de 20 anos, Nick Aragon, diz: “Nós [dançarinos da Christina, que incluem também Buddy Mynatt e Jorge Santos] somos a sanidade dela. Antes de sermos contratados, ela tinha que ser adulta com todos os outros; só falava de negócios, negócios, negócios”. Com os dançarinos, Christina gosta de ser criança, mas Nick diz que ela nunca abandona a inacreditável ética profissional que tem. “Eu já trabalhei com outros artistas, Ricky Martin… Christina é a pessoa mais batalhadora que eu conheço. Ela tem esse olhar, quase com uma faísca, que eu sei que não devo perturbar porque está focada”.

O foco realmente compensou. “Meu aniversário é no dia 18 de dezembro, e todo ano eu assoprava as velas desejando ser uma estrela. Eu queria ser o que estou fazendo hoje, é loucura!”.  É isso que acontece quando você libera o gênio de uma garrafa.


Voltar para Revistas – 1999 a 2001