Arquivo da categoria: Artigos

Christina na 5ª temporada de The Voice

Retorno de Christina a The Voice causa reações explosivas na internet

É engraçado como a reação em cadeia acontece: em abril, nós postamos aqui o anúncio oficial da NBC confirmando o retorno de Christina na 8ª temporada de The Voice; portanto, novidade nenhuma. Nossa dúvida era se Pharrel seria ou não o sucessor de CeeLo Green, já que o retorno dele ainda não havia sido confirmado pela NBC.

Ontem, quando Carson Daly confirmou o painel da 8ª temporada, pouca gente pareceu notar que Christina já havia sido anunciada para o papel e a internet literalmente explodiu com a notícia.

Começou na página do The Voice, onde a negatividade usual sobre a Christina é rapidamente demonstrada pelas senhoras que a assistem. A página é tomada por promessas de boicote ao programa, de como Christina é péssima mentora, é gorda, mostra o peito e detesta todo mundo. Vocês sabem, aquilo de sempre. “Nunca mais assisto!”.

Mas nem tudo é assim: nós estamos literalmente tropeçando em matérias com a notícia em tudo que é site que entramos; e vocês? Alguns, apenas reportam a notícia; outros, dão opinião pessoal de forma, surpreendentemente, positiva.

Continuar lendo

Cantando Imagine em evento da Mont Blank em 2010

Billboard elege Christina entre melhores covers de John Lennon

É um cover que às vezes até foge da cabeça dos fãs, mas não passou despercebido pela Billboard. Em celebração ao que seria o 74º aniversário de John Lennon, a Billboard separou ontem uma lista de 20 dos que considera os melhores covers do cantor na história. Não é pouca coisa, porque só “Imagine” deve ter sido repetida por outros artistas milhares de vezes (até mesmo Christina já cantou a música em alguns shows privados em 2010).

Entretanto, ela se destacou mesmo foi com a regravação de “Mother”, produzida com Linda Perry para um projeto beneficente em 2007. Aí vai o que a Billboard teve a dizer sobre a canção:

Christina Aguilera, “Mother” – Uma das músicas mais pessoais de Lennon é também um dos melhores covers já feitos por Christina Aguilera. Lennon encerra a versão dele com gritos de rasgar a alma, mas Aguilera repete o refrão de “Mama don’t go/Daddy come home” em completo modo rock, soando, ao mesmo tempo, como Etta James e Robert Plant.

Para relembrar a versão de Christina, ouça abaixo. Christina só apresentou a música ao vivo uma única vez, em um 2009, em um evento não televisionado.

Christina em evento da Time em 2013

Segundo a TIME, Christina é uma das celebridades mais comentadas do mundo

Um artigo publicado pela revista TIME em maio está, só agora, começando a rodar a web – e para não perdermos a chance, vamos publicar por aqui também!

Um dos colunistas da revista fez um levantamento para descobrir que celebridades atraem a obsessão do público: aquela que nem todo mundo vai falar que ama, mas que não consegue deixar de comentar. Afinal, falem bem ou falem mal, mas falem de mim, correto?

A medição é para o ano de 2014.

Segundo o colunista, nada melhor do que medir essa relação do que na Wikipedia: onde fãs e haters vão editar a página do famoso repetidamente para exaltar, corrigir ou sacanear os textos. Portanto, a lista de 100 artistas leva em considerações variáveis como: número de palavras no texto, pessoas únicas que editaram o texto com privilégios de editores, número de revisões, números de vandalismos identificados, etc.

Com isso, chegou à conclusão que Christina é a 12ª dentre as 100 pessoas mais editadas na Wikia, o que representa, segundo a TIME, uma dimensão da obsessão que o público sentem por ela. A lista é liderada por George Bush.

Confira a lista completa:

Continuar lendo

Scott Storch tenta voltar ao sucesso e se arrepende de ter descartado “Back to Basics”

Scott Storch em estúdio

Na notícia anterior, comentamos sobre uma bem sucedida parceria de Christina que, apesar de não ter rendido mais frutos, continua em bons termos. Muitos fãs devem saber, entretanto, que ao contrário dela, a parceria entre Scott Storch e Christina foi bruscamente rompida: os produziram juntos  e lado a lado grande parte de “Stripped”, incluindo as favoritas de fãs, as faixas mais puras do álbum e da carreira dela (colaborações que incluem Stripped Intro, Can’t Hold Us Down, Walk Away, Fighter, Loving Me 4 Me e mais).

A bem sucedida parceria foi rompida quando Christina convidou Scott para trabalhar em Back to Basics, mas o produtor fez um monte de exigências, resistiu voltar e a dupla rompeu. Scott criticou Christina, criticou o álbum, e ela respondeu com a faixa F.U.S.S. (“Fuck You, Scott Storch). Em uma nova matéria da Billboard, a revista conta que foi essa postura que sepultou a carreira de um dos maiores produtores da música:

Depois de uma carreira estrondosa criando sucesso para Beyoncé, Chris Brown, Pink, Christina Aguilera e Justin Timberlake, Storch se auto-destruiu de maneira espetacular e muito pública. Graças a um monstruoso vício em cocaína e um estilo de vida irresponsável, ele torrou uma fortuna de 70 milhões de dólares e afastou dele as gravadoras, os empresários e os artistas que o fizeram rico.

Agora, Scott diz ter se recuperado e está pronto para voltar (ele teve uma recaída em 2012, curiosamente quando anunciou que estava trabalhando com Christina em Lotus, o que nunca aconteceu). Ele se diz pronto a retomar os passos, contando para a Billboard o que ele pretende fazer de diferente desta vez, citando justamente a resistência de trabalhar em Back to Basics como exemplo. Segundo a revista, as exigências foram fruto de um “trabalho de vaidade” que ele pretende evitar agora:

[Scott] garante que não vai mais trabalhar por vaidade, como quando ele passou a oportunidade de produzir o álbum Back to Basics de Christina Aguilera, que vendeu 1.7 milhões de cópias (nos EUA), para trabalhar com o álbum de estreia de Paris Hilton (ele e Hilton estavam namorando na época).

E você, gostaria de ver Christina e Scott juntos novamente?

Christina com Ron Fair em 2010

Ron Fair relembra histórias da trajetória profissional ao lado de Christina

Christina com Ron Fair em 2010

Hoje, muitos fãs já devem saber que Ron Fair é o amigo e mentor responsável pelo grande descobrimento de Christina – aquele que confiou e lutou para que a carreira dela fosse o estrondoso sucesso que seguiu o lançamento de Genie In A Bottle.

O que pouca gente deve saber é que Christina também foi a grande responsável por lançar Ron Fair em uma grande trajetória profissional que o colocou como uma das potências da música. Os principais momentos chaves da carreira de Ron Fair envolvem Christina, e ele pôde falar um pouco sobre isso em uma nova entrevista. Confira.

Depois que você trabalhou na EMI, voltou para a RCA Records.

Eu fui contratado pela RCA Records por Joe Galante (então presidente da RCA), como Vice-Presidente Sênior de A&R, na unidade da Costa Oeste. Nós fizemos a trilha sonora de Caindo na Real, que foi um grande sucesso. (…) Eu também assinei com um grupo feminino chamado Wild Orchid, que incluia Stacy Ferguson (hoje conhecida como Fergie) e Stefanie Ridel, que anos depois se casou comigo… mas não tínhamos um relacionamento amoroso na época. Elas formavam a banda de harmonia vocal das garotas brancas mais sensuais, quentes e talentosas. Jim Vellutato quem nos apresentou.

Infelizmente, Wild Orchid nunca alcançou o sucesso que nós tínhamos planejado. Mas cada lição que eu aprendi como produtor e executivo responsável por elas, eu pude aplicar imediatamente com Christina Aguilera, que na época era uma garotinha de 16 anos de idade vinda da Pensilvânia. Ela havia sido recusada por todo mundo; mas o novo presidente da RCA, Bob Jamieson, recebeu a fita demo dela e queria que eu escutasse. Eu amei a voz dela – fechamos o contrato na nossa primeira reunião. Consegui a oportunidade de ela cantar Reflection, tema do filme Mulan. A primeira gravação profissional da vida dela apareceu em um álbum da Disney que atingiu o status de platina. Então, veio Genie In A Bottle, que foi #1 em todos os países e que ajudou a vender 13 milhões de álbuns só no ano de lançamento. Christina também gravou um álbum em espanhol que alcançou status de multiplatina e um álbum de natal, que é platina. Christina é uma gênia existente entre um em cada um zilhão de pessoas, com um som e timbre moldados por Deus – e juntos fizemos coisas incríveis juntos.

Com o sucesso de Christina, minha reputação como música de A&R disparou. Ela recebeu o prêmio Grammy de Artista Revelação. Até mesmo depois que eu saí da RCA para ir à A&M Records, continuei trabalhando com ela em Lady Marmalade, da trilha de Moulin Rouge em 2001. Eu produzi os vocais – a música ganhou um Grammy e foi um #1 internacional.

E como você saiu da RCA para ir para a A&M Records?

Quando eu estava na RCA, Christina já era um sucesso estrondoso e foi capa da Rolling Stone. No artigo, ela disse que queria ser conhecida como uma cantora de status soul e R&B. Ela também me insultou levemente ao dizer que eu havia forçado ela a cantar Genie In A Bottle. Então, recebi uma ligação repentina de Jimmy Iovine, quem eu mal conhecia. Jimmy me disse: “Eu estou lendo a Rolling Stone e diz aqui que você é o cara quem forçou Christina a cantar Genie In A Bottle. Preciso me encontrar com você, eu preciso contratar um executivo que consiga forçar artistas a cantar hits”. Jimmy me ofereceu a presidência da A&M Records. Juntos, fizemos grandes sucessos com Black Eyed Peas, Fergie, Keyshia Cole, Vanessa Carlton, Snow Patrol, Pussycat Dolls, Mary J. Blige e Jonny Lang.

Como você foi trabalhar com as Pussycat Dolls?

Christina me ligou – nós permanecemos bons amigos. Ela disse, “Ei, vou fazer um show no The Roxy, cantando com as Pussycat Dolls. Vou cantar Fever só de lingerie”. Eu fui até o clube, e lá estava um banda de garotas gostosas cantando ao lado de Christina. Eu fui aos bastidores abraça-la e dar parabéns pelo show. Eu me lembro de ter pensado que, muito embora as Pussycat Dolls eram um grande grupo, seria muito difícil converter aquele show em um grupo comercial. Seria um grande desafio. Christina me perguntou, “o que achou?”, e eu disse: “Só estou feliz de elas não serem um problema meu”. É o que eu chamei de “maldição às avessas”, porque uma semana depois Jimmy Iovine assinou com o grupo e me disse: “As Pussycat Dolls agora são seu novo projeto”.

Pessoal, aproveitando a notícia – vamos manter nessa coluna aí do lado as atualizações na notícia do show de Nova Orleans, ok? Vamos também colocar, no decorrer da semana, notícias, críticas e curiosidades do show, por isso, fiquem de olho!